Herdeiros de dono do IKEA não vão ter controlo da empresa

  • ECO
  • 3 Fevereiro 2018

Estrutura criada por Kamprad, em 1980, assegura que empresa sueca, fica fora do controle direto da família. Fortuna de Kamprad fica dividida.

Os herdeiros do patrão do Ikea, Ingvar Kamprad, não vão ficar a controlar diretamente a empresa. Com a morte de Kamprad, a sua fortuna vai dissipar-se devido à estrutura singular criada pelo fundador da marca sueca para garantir a independência e a sobrevivência do conceito da empresa a longo prazo.

A estrutura de Kamprad foi criada em 1980, e assegura que a empresa sueca, fica fora do controlo da família.

A notícia está a ser divulgada pelo site Chron, que cita um artigo da Bloomberg. Ainda segundo aquele artigo, os herdeiros da Kamprad vão ficar com uma fortuna mais pequena, concentrada na Ikano Group, uma holding que agrega os negócios financeiros, imobiliários, industriais e de retalho da propriedade da família com ativos avaliados em perto de 10 mil milhões de dólares, em 2016.

Kamprad que tinha uma personalidade muito própria, sempre rejeitou o estatuto que o incluía entre os homens mais ricos do mundo, tendo mesmo cedido o controlo do Ikea, a uma rede de fundações e empresas controladas. Aliás, a maioria das lojas do Ikea pertencem à Stichting Ingka Foudation, uma entidade holandesa cujo âmbito de ação é fazer doações de caridade e apoiar a inovação no design.

Ivan Kamprad morreu no passado dia 27 de janeiro, aos 91 anos, e controlava uma fortuna avaliada em 58,7 mil milhões de euros, ocupando o oitavo lugar no Bloomberg Billionaires Index.

A marca e o conceito da empresa sueca foram colocados sob controlo final da Interogo Foundation, com sede em Liechtenstein, cuja subsidiária, a Inter Ikea, é o franchising global da Ikea.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Herdeiros de dono do IKEA não vão ter controlo da empresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião