Igualdade de género no trabalho? Portugal está numa posição mais igualitária do que UE

Ainda que permaneçam diferenças significativas quanto à taxa de empregabilidade em alguns países da União Europeia, a tendência tem vindo a ser decrescente na maioria dos Estados-membros.

Os Estados-membros da União Europeia (UE) ainda apresentavam um gap superior a 11 pontos percentuais (pp) em 2017, no que diz respeito à taxa de empregabilidade entre homens e mulheres. Portugal estava, nessa altura, numa posição um pouco mais igualitária, com uma diferença entre géneros que não ultrapassava os 7,5 pontos percentuais.

De acordo com o Gabinete de Estatísticas da União Europeia, o Eurostat, Portugal ocupava, assim, o 10.º lugar na tabela dos países mais igualitários em matéria de taxa de emprego entre géneros. Contudo, do país lusitano até ao país que lidera este ranking — a Lituânia — vão mais do que seis pontos percentuais. A Lituânia destaca-se realmente pela positiva, com um gap de apenas um ponto percentual.

Logo a seguir, no segundo lugar do pódio, está a Finlândia (3,5 pp) e a Suécia (4 pp). Pelo contrário, na ponta oposta da tabela, está a Grécia (19,7 pp), Itália (19,8 pp) e, por último, com a maior diferença entre géneros, Malta (24,1 pp).

Ainda que permaneçam diferenças significativas em alguns países, a tendência tem vindo a ser decrescente na maioria dos Estados-membros da União Europeia. Há cinco anos, a diferença entre géneros no que toca à taxa de emprego era superior em 0,7 pontos percentuais, passando de 12,2 pontos percentuais (em 2012) para 11,5 pontos percentuais (em 2017).

Esta diminuição, mais ou menos expressiva, aconteceu em 16 Estados-membros da União Europeia, sendo que as maiores quedas foram registadas em Malta (-7,3 pp) e no Luxemburgo (-6,5 pp), seguidas da descida verificada na Eslováquia (-2,7 pp) e na Alemanha (-2,6).

Contudo, alguns Estados-membros foram exceção. Na Hungria, nesse mesmo período, o gap aumentou 4,2 pontos percentuais, seguindo-se a Itália (+3,5 pp) e a Bulgária (+2,4 pp).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Igualdade de género no trabalho? Portugal está numa posição mais igualitária do que UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião