Empresas estão mais atentas, mas só metade promove igualdade de género

As empresas estão mais atentas à igualdade de género e há cada vez mais profissionais a pensar a diversidade e a inclusão. Mas só metade implementa planos estratégicos, revela um estudo da Mercer.

As empresas estão mais atentas às questões da diversidade e inclusão dentro das suas organizações, mas menos de metade das empresas implementa estratégias para promover a igualdade de género. É uma das conclusões do estudo da consultora Mercer “When Women Thrive 2020″, a mais de 1.150 empresas em 54 países e que abrangeu mais de sete milhões de trabalhadores. De acordo com a Mercer, 81% das empresas afirma que é importante melhorar a diversidade e inclusão, mas menos de metade, cerca de 42%, implementa uma estratégia plurianual para promover a igualdade de género.

A Mercer refere que as empresas estão a apresentar progressos nas políticas de recrutamento, promoção e retenção de mulheres nos cargos de topo. A representação feminina em cargos de liderança tem aumentado, mas as estatísticas diminuem à medida que os níveis na carreira vão progredindo. De acordo com a Mercer, apenas 29% das mulheres ocupa cargos de reporte direto à administração e 23% cargos executivos. As mulheres representam 47% dos profissionais em funções de suporte nas empresas e 42% em funções de níveis superiores.

“A igualdade de género é hoje um imperativo global e as empresas estão a tomar medidas para fazer a diferença”, destaca Diogo Alarcão, CEO da Mercer Portugal. “Porém, enquanto as mulheres continuarem a estar sub-representadas em cargos superiores, assim como a nível de oportunidades de desenvolvimento e progressão de carreira, independentemente do setor ou geografia, isto significa que ainda existe muito trabalho a fazer para conquistar um equilíbrio entre homens e mulheres em contexto profissional”, sublinha.

Mais alerta, mas pouco ativas

De acordo com o estudo da consultora Mercer, as taxas de recrutamento, promoção e retenção de mulheres já se comparam com as taxas masculinas, o que representa uma melhoria relativamente aos números de há quatro anos (figura 1).

Figura 1: Fluxo de talento no mercado de trabalho. Fonte: Relatório “When Women Thrive 2020” da Mercer.

 

No que diz respeito à atração e retenção de talento, o mesmo estudo revela que as empresas estão otimistas quanto à sua capacidade de contratar, promover e reter mulheres. Contudo, apenas 64% das empresas acompanham a representação de género e ainda em menor número são aquelas que analisam contratações, promoções e saídas por género. Apesar de as estratégias estarem longe de ser implementadas, as empresas estão a adotar métodos mais rigorosos para avaliar a equidade de pagamentos, salienta a Mercer.

“O sucesso na igualdade de género é mais do que a representação de 50/50. É sobre conquistar uma igualdade de oportunidades, experiência e salário. Para conseguir mudar, as empresas precisam de tomar decisões baseadas em dados, definindo objetivos mensuráveis, envolvendo todos os gestores e incutindo uma cultura que valoriza a diversidade”, destaca Gabriela Picciotto, responsável pelas áreas de diversidade e inclusão na Mercer Portugal.

Pensar a diversidade e a inclusão

De acordo com os resultados do estudo, 66% das empresas menciona que os altos executivos estão ativamente ligados a iniciativas e programas de diversidade e inclusão, face a 57% em 2016, e mais de metade (57%), refere o mesmo dos respetivos conselhos de administração, face aos 52% registados em 2016.

Cerca de 72% das empresas inquiridas confirma ter profissionais dedicados a análises de equidade nas políticas de compensação, e mais de metade, 56%, utiliza abordagens estatísticas de equidade salarial. Apesar destes dados dados, metade das empresas em todo o mundo continua a não ter equipas dedicadas à diversidade e inclusão.

"Todas as empresas que estão já a tomar medidas para melhorar e reforçar sistematicamente a representação de grupos sub-representados e a criar uma cultura mais inclusiva, irão atingir resultados tangíveis e os benefícios que decorrem dos mesmos.”

Gabriela Picciotto

Responsável pelas áreas de diversidade e inclusão na Mercer Portugal

“Definitivamente, e embora de forma lenta, as empresas estão a permitir que as mulheres intervenham e que reforcem o seu papel”, salienta Gabriela Picciotto. E, todas as empresas que estão já a tomar medidas para melhorar e reforçar sistematicamente a representação de grupos sub-representados e a criar uma cultura mais inclusiva, irão atingir resultados tangíveis e os benefícios que decorrem dos mesmos”, remata.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas estão mais atentas, mas só metade promove igualdade de género

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião