MetLife assina carta da ONU para Empoderamento das Mulheres

  • ECO Seguros
  • 3 Março 2020

A MetLife assinou a carta das Nações Unidas para o Empoderamento das Mulheres e vai formar uma equipa de Igualdade de Género para suprir lacunas no recrutamento, retenção e promoção das mulheres.

A MetLife afirma, em comunicado, que é a primeira seguradora sediada nos EUA a subscrever os Princípios para o Empoderamento das Mulheres das Nações Unidas, uma série de compromissos criados pela ONU Mulheres e o Pacto Mundial das Nações Unidas para promover a igualdade de género no local de trabalho e na sociedade.

O presidente e CEO da MetLife, Michel Khalaf, destacou a assinatura numa conferência de diversidade na cidade de Nova Iorque (EUA), patrocinada pelo Conselho Americano de Seguradoras de Vida (American Council of Life Insurers), pelo Conselho de Seguro de Vida de Nova Iorque (Life Insurance Council of New York) e pela Associação Americana de Seguros contra Acidentes de Propriedade (American Property Casualty Insurance Association).

Khalaf anunciou a formação de uma equipa de Igualdade de Género da MetLife que será parceira da ONU, para identificar lacunas no recrutamento, retenção, promoção, compensação e plano de carreira e trabalhar para as colmatar.

“O apoio da MetLife à igualdade de género reflete o nosso objetivo de construir um futuro mais seguro para todos”, disse Khalaf. “Empoderar as mulheres é mais do que um valor essencial para nós – é um elemento-chave da nossa estratégia de negócios. A parceria com a ONU vai ajudar-nos a fortalecer o nosso enfoque e levar o nosso compromisso ao próximo nível”, refere o comunicado da companhia.

Oscar Herencia, diretor-geral da MetLife Iberia e vice-presidente do sul da Europa, mostrou satisfação com a assinatura do documento e destacou a boa posição da empresa em Portugal e Espanha: “Estou muito orgulhoso deste acordo. Na Ibéria consideramos a igualdade e diversidade de género uma das nossas principais prioridades, desenvolvendo o nosso talento e incentivando os nossos colaboradores a trazer autenticidade para o trabalho. Podemos salientar que existem 68% de mulheres na nossa equipa e, principalmente, o facto de o Comité da Direção ser composto por 46% de mulheres. É um valor bem acima da média do mercado e um sinal de que a igualdade é essencial para nós”.

Na perspetiva da Organização das Nações Unidas, o Empoderamento das Mulheres deve prosseguir um conjunto de orientações:

  • Princípio 1: Estabelecer uma liderança corporativa de alto nível para a igualdade de género.
  • Princípio 2: Tratar todas as mulheres e homens de maneira justa no trabalho: respeitar e apoiar os direitos humanos e a não-discriminação.
  • Princípio 3: Garantir a saúde, segurança e bem-estar de todas as trabalhadoras e trabalhadores.
  • Princípio 4: Promover a educação, a formação e o desenvolvimento profissional das mulheres.
  • Princípio 5: Implementar o desenvolvimento corporativo, a logística necessária e as iniciativas de marketing que empoderem as mulheres.
  • Princípio 6: Promover a igualdade através de iniciativas da comunitárias e da recomendação.
  • Princípio 7: Medir e informar publicamente o progresso para alcançar a igualdade de género.

A 12 de março, a MetLife organizará um evento na sede mundial em Nova Iorque (EUA) para comemorar o décimo aniversário dos Princípios de Empoderamento das Mulheres com representantes da ONU e outros dignitários. “Ao ajudar a fazer progredir as mulheres na MetLife, ajudamos a promover a diversidade de talentos necessários para marcar a diferença no local de trabalho e no mercado”, disse Cindy Pace, diretora mundial da diversidade e inclusão da MetLife.

No mês passado, a MetLife foi incluída no Índice de Igualdade de Género da Bloomberg pelo quinto ano consecutivo. A companhia também foi reconhecida pelo Fórum das Mulheres de Nova Iorque como um «Campeão Corporativo» pela alta representação (30%) das mulheres no conselho de administração.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

MetLife assina carta da ONU para Empoderamento das Mulheres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião