BRANDS' PESSOAS Igualdade de género nas empresas

  • BRANDS' PESSOAS
  • 9 Março 2020

Joana Gonçalves Rebelo, EY Manager, People Advisory Services, explica cinco mecanismos que as organizações podem adotar para criar programas de igualdade de género.

A igualdade de género em Portugal muito tem evoluído pela positiva em todos os aspetos. O aumento das licenças de parentalidade, por exemplo, demonstra a necessidade de os homens acompanharem os filhos nos primeiros anos, refletindo assim uma partilha de responsabilidades assinável quando comparado com o passado.

Em Portugal só a partir de 1974 é que as mulheres tiveram a oportunidade de votar de forma universal, igual e em segredo, e só a partir de 1978 deixaram de ser dependentes do marido. As taxas de analfabetismo entre as mulheres eram de mais de 30% e só 0,5% eram licenciadas (fonte: CIG.Gov.Pt).

Refletindo sobre os dados, as mulheres tinham um papel bem mais limitado na sociedade, sendo-lhes vedadas algumas profissões e, noutros casos, necessitando de autorização. O seu papel era, sim, muito mais sólido nas tarefas ou da casa ou relacionadas com os filhos.

"Se em 70 anos muito mudou em Portugal e no mundo, claramente que ainda há espaço de melhoria no que se refere à equidade de oportunidades, remunerações e crescimento das mulheres nas organizações. ”

O papel da mulher evoluiu muito desde então e a sua presença no mercado de trabalho está muito mais marcada, comparativamente ao passado, pela paridade de género, não havendo atualmente qualquer limitação formal de acesso profissional.

No entanto, e como já muito assinalado, as mulheres continuam a auferir de uma remuneração inferior em funções comparativamente iguais. Esta diferença em 2018 era de cerca de 14% em Portugal (fonte: Barómetro Das Diferenças Remuneratórias Entre Mulheres E Homens) e em todo mundo, a imparidade salarial é ainda maior: as mulheres auferem anualmente, em média, 11.500 dólares, enquanto os homens recebem 21.500 dólares, de acordo com o relatório da EY How can we move forward while the economic gender gap keeps moving backward?.

Com as imparidades existentes e apesar dos esforços já desenvolvidos, cabe a todos e a cada um de nós ter um papel na redução das desigualdades. Vários mecanismos de suporte podem ser introduzidos pelas próprias organizações no seu dia-a-dia, criando programas de promoção da igualdade de género.

Estes programas, que podem e devem estar presentes nas políticas e processos de recursos humanos, podem assumir várias formas, nomeadamente:

  • Recrutamento: limitar a imparidade de contratação muitas vezes fruto de viés cognitivo (bias) inconsciente por parte de quem faz triagem e seleção de candidatos. Um exemplo de formas de reduzir ou ultrapassar esta questão é a introdução de Robotic Process Automation (RPA), robôs, na triagem de CV’s. Os RPA’s conseguem identificar os melhores candidatos para a vaga em aberto sem serem suscetíveis a vieses de género, raça ou étnica etc;
  • Avaliação de Desempenho: introdução de objetivos e/ou métricas de avaliação de desempenho focados em resultados e dados que reduzam o impacto de potenciais juízos de género sobre o indivíduo;
  • Gestão de Carreiras: criação de políticas de suporte a mulheres aumentando a flexibilidade que permita o crescimento na carreira, ao mesmo tempo que lhes é possível dar resposta aos desafios da vida pessoal;
  • Auditorias salariais: realização de auditorias salariais como forma de garantir que remunerações entre homens e mulheres são equiparáveis para as mesmas funções, habilitações, antiguidades e mais que se mostrar relevantes;
  • Data Analytics: a gestão da organização com base em dados quantitativos que efetivamente espelhem a empresa permite compreender as áreas de atuação mais fragilizadas e que necessitam de suporte específico, evidenciando imparidades, como a questão do género.

Se em 70 anos muito mudou em Portugal e no mundo, claramente que ainda há espaço de melhoria no que se refere à equidade de oportunidades, remunerações e crescimento das mulheres nas organizações. Prova disso é o facto de o Presidente da República Português ter promulgado a Lei n.º 62/2017 de suporte à paridade de género, garantindo que há um equilíbrio de género em listas eleitorais, vogais em juntas de freguesia, etc.

As organizações e os seus líderes têm um papel preponderante na criação desta igualdade mas todos nós, indivíduos, também o temos, nomeadamente através do suporte de jovens mulheres em idade escolar, promovendo o seu acesso ao conhecimento e experiência profissional, denunciando casos de abuso ou imparidade, sendo mentor de outras mulheres, não tolerando comentários que abusivos para com as mulheres etc …

E a sua empresa, como constrói um melhor mundo para se trabalhar?

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (convites, newsletters, estudos, etc), por favor clique aqui.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Igualdade de género nas empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião