Covid-19 traz litígios D&O e em outras linhas de seguros comerciais

  • ECO Seguros
  • 11 Março 2020

Especialistas que acompanham riscos de responsabilidade que expõem administradores e diretores de cotadas em Nova Iorque advertem que o novo coronavírus vai originar litígios em seguros D&O.

As empresas devem preparar-se para uma eventual pilha de processos de acionistas relacionados com o novo surto de coronavírus, mas o sucesso de qualquer litígio pode depender do acervo de informações que estas organizações disponibilizam sobre os riscos de responsabilidade dos diretores e executivos, adiantam diversos especialistas citados num artigo da Business Insurance.

Além dos processos em D&O (sigla que identifica o segmento de responsabilidades de administradores e diretores), os segurados comerciais podem enfrentar processos e reclamações relacionadas com responsabilidades por práticas de política laboral, segurança cibernética e exposições a pedidos de compensação dos trabalhadores decorrentes da epidemia pelo novo coronavírus (Covid-19) que, até à data, já infetou mais de 113 000 pessoas em 110 países causando um total superior a 4 000 mortos, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Na semana passada, a Securities and Exchange Commission (Comissão de Valores Mobiliários e Bolsas dos EUA) recomendou que as empresas a divulguem informações relacionadas com o coronavírus, uma orientação que pode ter implicações para as reivindicações de D&O.

O presidente da SEC, Jay Clayton, emitiu uma declaração dizendo que as empresas devem fornecer aos investidores avaliações e planos de contingência face a riscos materiais para os seus negócios e operações resultantes do coronavírus “na medida possível”.

“Todos esperamos ver surgir reivindicações relacionadas com o vírus no mundo D&O, e estamos apenas atentos para ver quando o primeiro caso chegar e que forma assume”, disse Sarah Downey, FINPRO de Nova Iorque e responsável de produtos D&O da Marsh USA.

No passado, as doenças generalizadas não resultaram em litígios de D&O, disse Kevin LaCroix, vice-presidente executivo da RT ProExec, uma divisão da R-T Specialty LLC, em Beachwood, Ohio. Mas, nos últimos anos, o litígio de D&O em geral tende a ligar-se com eventos, com foco “em eventos adversos que afetam as operações da empresa“, em vez de demonstrações financeiras ou informações falsas, explicou. “O que é único com este surto de saúde em particular é a medida em que afeta operações comerciais de muitas empresas”, disse.

Se os investidores sentirem que não foram totalmente informados sobre vulnerabilidades da cadeia de abastecimentos ou problemas de distribuição, podem entrar com ações judiciais, explica LaCroix.

Por seu lado, Laura Foggan, sócia da Crowell & Moring LLP em Washington e presidente da subsidiária de seguros e resseguros, afirmou: “Esta é uma situação tão evolutiva, com tantas incógnitas, que cria uma receita para os demandantes pensarem em ações futuras dos acionistas”. Se a situação não se desenvolver como previsto, pode resultar em litígios de contra administradores e diretores (D&O , concluiu.

O sucesso do litígio dependerá de uma empresa disponibilizar ao mercado informações precisas, seguir recomendações do governo, ter planos de emergência em vigor e ter desenvolvido alternativas na cadeia logística, sugeriu Susan Friedman, vice-presidente da Plainview, sediada em Nova Iorque, e advogada de reclamações da NFP Corp.

As empresas de capital aberto (cotadas em bolsa) ficam em situação difícil com a exigência da SEC de divulgar uma avaliação dos seus planos para lidar com o coronavírus e os riscos materiais para seus negócios, disse Rob Yellen, vice-presidente executivo da Willis Towers Watson PLC’s – FINEX North America. Eles não têm o benefício de ‘portos seguros’ de responsabilidade em relação ao que está a acontecer, observou.

“É realmente importante não dizer algo que não tenha sido vetado” pelos advogados ou pelos auditores, nota Yellen.

Se houver lugar a ações movidas por acionistas, o seguro D&O deve pagar reivindicações, opinou Peter M. Gillon, sócio da Pillsbury Winthrop Shaw Pittman LLP em Washington. “Felizmente, litígios ao nível de valores mobiliários enquadram-se bem no âmbito da cobertura típica da D&O, portanto, a maioria das empresas deve estar segurada contra os riscos potenciais de litígios de valores mobiliários”, sustenta Gillon.

“Estamos a aconselhar os nossos clientes a ter certeza de que subscrevem coberturas até aos limites do ‘Lado A’”, disse Christine Williams, diretora executiva do grupo de serviços financeiros da Aon Plc, em Nova Iorque. O ‘Lado A’ de uma política de D&O oferece cobertura para diretores e executivos individuais em ações de acionistas, complementa o Business Insurance. Além disso, as empresas devem considerar a exclusão de danos corporais, que são o padrão nas apólices de D&O, e “garantir que elas reduzam a exclusão o melhor que puderem”, complementou Williams.

Ainda, de acordo com Gillon, os segurados devem ter certeza de que se a sua apólice de D&O tiver alguma forma de exclusão de danos corporais, o seguro não se aplica a reivindicações de títulos mobiliários cotados e que não impede a cobertura de reivindicações contra diretores e executivos ou, de outra forma, limita a cobertura desses riscos.

Mas a forte queda dos mercados acionistas (bolsas) pode turvar a questão da responsabilidade, disse Thomas D. Cunningham, sócio da Sidley Austin LLP que representa as seguradoras na região de Chicago. “Em geral, penso que terá um impacto mais limitado do que as pessoas temem” e “haverá mais nuances na prova de responsabilidade por danos“, rematou.

Priya Cherian Huskins, vice-presidente sénior da D&O da Woodruff Sawyer & Co. em São Francisco, não espera muitas reivindicações de D&O relacionadas com o novo coronavírus porque as empresas “com cadeias de abastecimento complexas e outros tipos de negócios que são mais prováveis de serem impactados pela Covid-19 tenderão a ser empresas cujas lideranças terão pensado em pandemias como um dos muitos vetores de risco a considerar”.

Entretanto, o coronavírus também pode afetar outras coberturas. Especialistas já apontaram anteriormente que muitos segurados de linhas de seguro comerciais provavelmente farão reivindicações por perdas na cadeia de abastecimento relacionadas com a epidemia.

Outras linhas que podem ser atingidas incluem a responsabilidade face a legislação laboral, se a crise levar à discriminação contra asiáticos ou outras minorias; seguro cibernético, se o acréscimo de funcionários a trabalharem a partir de casa – em redes não seguras ou menos seguras – elevar a vulnerabilidade para atos de hacking, phishing e outros esquemas criminosos, ou ainda em saúde, se se verificarem casos de trabalhadores contraírem a doença no local de trabalho.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19 traz litígios D&O e em outras linhas de seguros comerciais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião