Em plena OPA, “Rei dos frangos” volta a reforçar no Benfica

José António dos Santos adquiriu 2,7% do capital da sociedade encarnada através de duas empresas. Reforço aconteceu a 4 de março.

O empresário José António dos Santos, vulgarmente conhecido por “rei dos frangos”, voltou a reforçar posição no capital da SAD do Benfica. Adquiriu 2,7% do capital da sociedade encarnada através de duas empresas, revela um comunicado enviado pela SAD do Benfica à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

As aquisições foram feitas a 4 de março através de duas empresas da qual é acionista. Uma das aquisições foi através do Grupo Valouro, do qual José António dos Santos detém uma posição de 23,335%, tendo sido adquiridas 450.000 ações representativas de 1,9565%, do capital da Sport Lisboa e Benfica – Futebol SAD. A outra aquisição foi realizada através da Avibom – Avícola, sociedade da qual é o único acionista. Mais em específico de 172.166 ações, representativas de 0,7485% do capital da SAD encarnada.

A SAD do Benfica esclarece ainda que José António dos Santos detém diretamente um total de 3.132.942 ações, representativas de 13,62% do respetivo capital. O empresário, amigo de Luís Filipe Vieira é o maior acionista individual da SAD do Benfica.

Justifica também a divulgação deste comunicado com o facto de “desconhecer a forma como poderá proceder-se à imputação das ações e respetivos direitos de voto” relacionados com o empresário e que “à cautela” presta essa informação.

De salientar que a CMVM tem, repetidamente, pedido esclarecimentos ao Benfica sobre as condições da Operação Pública de Aquisição (OPA) que lançou sobre 28,06% do capital da SAD.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em plena OPA, “Rei dos frangos” volta a reforçar no Benfica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião