Oito casinos portugueses anunciam encerramento temporário

  • Lusa e ECO
  • 14 Março 2020

Em causa estão os casinos de Espinho, Chaves, Vilamoura, Portimão e Monte Gordo, operados pelo grupo Solverde, além dos casinos de Lisboa, Estoril e Póvoa de Varzim, concessionados à Estoril-Sol.

Os grupos Solverde e Estoril-Sol, que operam oito dos onze casinos em Portugal, anunciaram que pediram ao Estado a autorização para o encerramento temporário dos seus estabelecimentos físicos de jogo, como medida preventiva de propagação da Covid-19.

Em causa estão os Casinos Espinho, Chaves, Vilamoura, Portimão e Monte Gordo, operados pelo grupo Solverde além dos Casinos de Lisboa, Estoril e Póvoa de Varzim cuja concessão está na esfera do grupo Estoril-Sol.

Também o Casino Figueira requereu ao Estado para encerrar o espaço ao público, a contar a do dia 14 de março e pelo período de 14 dias. “A reabertura ocorrerá após reavaliação da situação”, disse o casino da Figueira da Foz. “O Casino Figueira está consciente do forte impacto financeiro negativo desta decisão, na empresa e na Figueira da Foz mas entendeu que estamos perante uma emergência de saúde pública e esta decisão visa proteger todos os colaboradores e clientes, pois o supremo valor da vida humana impõe-se a tudo o resto”, acrescentou em comunicado.

O mesmo disse o grupo Solverde. “A administração do grupo Solverde está segura que esta iniciativa se impunha na defesa dos superiores interesses dos seus colaboradores, clientes e saúde publica em geral“, pode ler-se num comunicado enviado pelo grupo aos seus colaboradores a que agência Lusa teve acesso.

No mesmo texto, o grupo Solverde informou que a medida de encerramento vigora a partir de hoje e se irá prolongar por 14 dias, garantindo que “desenvolverá todos os esforços para que esta situação tenha o menor impacto possível em todos os seus colaboradores“, recomendando que os mesmos “sigam as instruções dadas pela Direção Geral de Saúde”.

Já o grupo Estoril-Sol, num comunicado enviado à agência Lusa, não especificou o período pelo qual vigorará o encerramento temporário dos seus casinos, mas informou que a medida “embora ainda se encontre em processo de avaliação pela tutela”, será implementada “desde já considerando a sua urgência”.

“Com esta decisão, a Estoril Sol tem como objetivo primordial assegurar o bem-estar e a saúde dos seus visitantes e dos seus funcionários, procurando minimizar o impacto desta pandemia na sociedade em geral”, pode ler-se no comunicado.

No mesmo texto, a empresa garante que se “manterá atenta à evolução deste problema de saúde pública em escala mundial, mantendo-se em estreita cooperação com as autoridades nacionais e disponibilizando-se para a alteração de procedimentos ou adoção de novas medidas que assim se justifiquem”.

A Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (FESAHT) “exigiu ao Governo medidas imediatas que protejam a vida e saúde dos clientes e trabalhadores das salas de jogo de casinos e bingos”.

Num comunicado enviado antes da medida anunciada pelos grupos Solverde e Estoril-Sol, a federação de sindicatos considerou que o Estado deixou os trabalhadores destes estabelecimentos “ao abandono”.

“O mínimo que se exige ao Governo e às concessionárias de jogo era que se restringisse o acesso aos casinos a clientes/jogadores (…) e que se limitasse o número de jogadores por mesa para permitir o menor contacto entre os clientes e os trabalhadores”, pode ler-se num comunicado da FESAHT.

Os sindicalistas consideraram que as medidas de higiene para a evitar a propagação do Covid-19 nestes locais não têm sido suficientes e apontaram que “nas salas de jogo do bingo a situação ainda é pior”.

“Não foram feitas circulares aos trabalhados, não existe gel desinfetante nem um reforço de limpeza”, denuncia a FESAHT.

(Notícia atualizada às 15h46 do dia 17 de março com reação do Casino Figueira)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oito casinos portugueses anunciam encerramento temporário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião