Da política ao desporto, as vítimas famosas do Covid-19

  • ECO
  • 13 Março 2020

Já são mais de 130.000 as pessoas infetadas com coronavírus no mundo, numa lista da qual fazem parte ministros, secretários de Estado, estrelas do desporto e até de Hollywood.

Ministros, secretários de Estado, senadores, jogadores de futebol e atores. A lista de pessoas infetadas com coronavírus, que já conta com mais de 130.000 casos confirmados em mais de uma centena de países, não escolhe nomes nem profissões. O ECO reuniu alguns dos nomes confirmados até ao momento e preparou uma fotogaleria.

No país vizinho, já há duas ministras infetadas com coronavírus: Irene Montero, ministra da Igualdade, e Carolina Darias, ministra da Política Territorial e Função Pública. No dia em que o Governo espanhol confirmou o caso da primeira ministra, esta quinta-feira, foi também adiantado que o seu companheiro, o chefe de partido Podemos e vice-presidente do Governo, Pablo Iglesias, está de quarentena.

Ao lado, em França, também já foi confirmado que Franck Riester, ministro da Cultura, é uma das vítimas do coronavírus. O teste deu positivo esta segunda-feira, anunciou o seu gabinete. O ministro começou por manifestar sintomas, depois de ter passado vários dias na Assembleia Nacional, onde vários casos foram confirmados. Em França contam-se ainda vários deputados infetados.

No Reino Unido, a secretária de Estado da Saúde, Nadine Dorries, também já está infetada. “Tem sido bastante mau, mas espero que o pior já tenha passado”, escreveu a própria, na sua conta do Twitter, esta terça-feira. Mas também há casos diagnosticados no futebol britânico: o jogador Callum Hudson-Odoi, do Chelsea, informou o próprio clube esta quinta-feira, e o treinador do Arsenal, Mikel Arteta.

Alemanha também já entra nesta lista. O futebolista Timo Hubers, de 23 anos, foi diagnosticado com coronavírus, anunciou o Hannover96. O jogador, embora não tenha apresentado sintomas, percebeu que poderia estar infetado depois de ter estado com uma pessoa infetada. Hubers foi o primeiro jogador do campeonato europeu a ficar infetado.

Por sua vez, em Itália, que é já o segundo país com mais casos no mundo, os casos são, claramente, mais. Nicola Zingaretti, líder do Partido Democrático e presidente da região da Lazio, já foi diagnosticado com coronavírus, assim como outros quatro presidentes de Câmaras: Attilio Visconti (Brescia), Elisabetta Margiacchi (Bergamo), Marcello Cardona (Lodi) e Rinaldo Argentieri (Matera). No desporto, o jogador da Juventus, Daniele Rugani, também entra nos casos confirmados, tendo levado toda a equipa para casa, de quarenta.

Fora da Europa também se multiplicam os casos. Na Austrália, o ministro da Administração Interna, Peter Dutton, anunciou que também está infetado, depois de ter acordado com sintomas. Já no Irão, o ministro-adjunto da Saúde, Iraj Harirchi, também foi um dos primeiros governantes do mundo a ser confirmado com coronavírus.

No Brasil, o secretário de Estado da Comunicação Social, Fábio Wajngarten, foi confirmado com coronavírus — Bolsonaro fez o teste, mas deu negativo. Nos Estados Unidos, há dois senadores diagnosticados: Ted Cruz e Rick Scott, e outros quatro congressistas. No Canadá, a esposa do primeiro-ministro, Sophie Gregoire Trudeau, também um caso positivo. No desporto norte-americano conta-se o basquetebolista dos Uttah Jazz, Rudy Gobert. No mundo de Hollywood, Tom Hanks e a esposa, Rita Wilson, também entram para as estatísticas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Da política ao desporto, as vítimas famosas do Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião