CGTP quer pagamento do ordenado a 100% para quem não possa trabalhar devido ao coronavíurus

  • Lusa
  • 13 Março 2020

A CGTP defendeu que "o que se exige é o pagamento [do salário] a 100% para todos" os que não possam trabalhar, numa reação às medidas de combate ao coronavírus tomadas pelo Governo.

A CGTP defendeu esta sexta-feira que “o que se exige é o pagamento a 100% para todos” os que não possam trabalhar, numa reação às medidas de combate à expansão da epidemia do novo coronavírus tomadas pelo Conselho de Ministros.

A secretária-geral da central sindical, Isabel Camarinha, falava aos jornalistas, em conferência de imprensa na sede Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional (CGTP-IN), na sequência do anúncio das medidas do Governo para prevenção do contágio por Covid-19 e de apoio aos trabalhadores e empresas.

A CGTP lamentou “medidas de apoio à família que implicam redução de salário”, acrescentando que “o que se exige é o pagamento de 100% para todos”.

Isabel Camarinha referiu ainda a rejeição por parte da CGTP “das implicações que decorrem do regime simplificado de ‘lay-off’ (suspensão temporária dos contratos de trabalho)”, conforme foi apresentado pelo Governo, bem como a preocupação com o desaparecimento “do comunicado do Conselho de Ministros” das micro, pequenas e médias empresas.

Quanto à política de apoio às restantes empresas, aquela estrutura considera que, a ser necessário auxílio financeiro, ele deve ser suportado por verbas extra do Orçamento do Estado. “O momento é de equidade e solidariedade”, sublinhou a responsável, apelando “à calma, firmeza e serenidade”. Defendendo também a urgência do reforço do Serviço Nacional de Saúde (SNS), apontou o dedo aos sucessivos Governos, que acusa de o terem negligenciado.

A valorização dos profissionais de saúde e a contratação de mais trabalhadores são, na perspetiva da central sindical, medidas a considerar, defendendo que “não é com prolongamento sem limites do tempo de trabalho” que se deve combater o surto de Covid-19. “A CGTP reafirma que as medidas [anunciadas pelo Governo] têm um caráter extraordinário e não podem servir para aumentar a exploração dos trabalhadores”, acrescentou.

O Governo anunciou esta madrugada que os trabalhadores por conta de outrem que tenham de ficar em casa a acompanhar os filhos até 12 anos vão receber 66% da remuneração-base, metade a cargo do empregador e outra metade da Segurança Social, e decidiu ainda “apoio financeiro excecional aos trabalhadores independentes que tenham de ficar em casa a acompanhar os filhos até 12 anos, no valor de um terço da remuneração média”, declarada nos últimos meses, entre outras medidas de apoio à proteção social dos trabalhadores e famílias em resposta à pandemia da Covid-19.

O Conselho de Ministros aprovou, também, a contratação de médicos aposentados, sem sujeição aos limites de idade, e a suspensão dos limites de trabalho extraordinário.

(Notícia atualizada às 14h38 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGTP quer pagamento do ordenado a 100% para quem não possa trabalhar devido ao coronavíurus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião