Marcelo alerta que combate ao coronavírus pode exigir “medidas mais reforçadas”

Numa mensagem no site da presidência, Marcelo Rebelo de Sousa demonstrou o seu apoio face às medidas avançadas pelo Governo e insta os portugueses a seguirem recomendações. 

O Presidente da República deixa um alerta esta sexta-feira: a pandemia de coronavírus pode durar mais tempo do que o esperado e exigir “medidas mais reforçadas”. Numa nota no site da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa deixou o seu apoio relativamente às medidas tomadas pelo Governo para limitar a propagação do novo coronavírus em território nacional e exortou os portugueses a seguirem recomendações.

O surto de Covid-19, agora convertido em pandemia, sabe-se hoje, pode ser mais intenso e duradouro do que a própria Organização Mundial de Saúde pensava“, avisa o Presidente da República, numa nota publicada esta sexta-feira publicada no site da Presidência da República.

Nesse sentido, Marcelo Rebelo de Sousa defende que “o esforço de todos e de cada um terá de ser maior”, por forma a “enfrentar uma situação que pode ser mais grave e duradoura do que muitos especialistas diziam no começo do ano“. O Chefe de Estado apela aos portugueses que sigam as recomendações das autoridades de saúde e que se mantenham “mobilizados, mas serenos”, evitando situações de risco e “ficando em casa sempre que possível”.

O Presidente da República elogia ainda o sentido de Estado de todos os partidos e parceiros sociais. Ao mesmo tempo, sublinha que apoia todas medidas tomadas pelo Executivo para evitar uma maior propagação do vírus, deixando claro que, se necessário for, mais medidas poderão ser tomadas. “Se a situação o impuser, essas medidas mais reforçadas deverão ser mesmo tomadas”, aponta Marcelo Rebelo de Sousa.

Por fim, Marcelo Rebelo de Sousa deixa ainda uma mensagem de calma e esperança, apontado que “Portugal já enfrentou desafios financeiros, económicos e sociais ainda mais intensos” do que este e “ultrapassou todos eles”, agradecendo ainda o trabalho executado pelos profissionais de saúde “a dedicação sem limites”.

Segundo o último balanço, há mais de 113 mil pessoas infetadas por Covid-19, sendo que já foram registas mais de 4.900 mortes. Em Portugal, o número de casos confirmados aumentou para 112, segundo o último balanço da Direção-geral de Saúde.

(Notícia atualizada às 12h18)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo alerta que combate ao coronavírus pode exigir “medidas mais reforçadas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião