Covid-19: Amazon quer contratar cem mil pessoas para fazer face às encomendas

  • Lusa
  • 16 Março 2020

A retalhista online informou ainda que vai aumentar em dois dólares o pagamento à hora dos trabalhadores de armazéns, centros de entrega e distribuição.

A multinacional Amazon informou que precisa de contratar cem mil pessoas em todo o território dos Estados Unidos para enfrentar o aumento das encomendas, na sequência da propagação do novo coronavírus (Covid-19).

A retalhista online informou que vai aumentar em dois dólares o pagamento à hora dos trabalhadores de armazéns, centros de entrega e distribuição e mercearias Whole Foods (que recebem cerca de 15 dólares à hora).

Os trabalhadores nas filiais do Reino Unido e de outros países europeus vão ter um aumento semelhante, segundo a empresa, acrescentando que as vagas se destinam tanto a trabalhadores a tempo parcial como a tempo total.

“Estamos a verificar um aumento significativo da procura, o que quer dizer que as nossas necessidades laborais não têm precedentes para esta altura do ano”, reconheceu Dave Clark, responsável pela rede de armazéns e entregas da Amazon, citado pela agência americana AP.

A Amazon já avisou os clientes de que o tempo de entrega pode ser maior do que o habitual, dado que o número de encomendas está a pressionar a operação.

Tal como muitos outros locais, a Amazon também já não tem produtos de higiene e limpeza disponíveis.

Sedeada em Seattle, a Amazon é o segundo maior empregador nos Estados Unidos, apenas atrás da cadeia Walmart, com cerca de 800 mil trabalhadores em todo o mundo.

Por outro lado, e em consequência igualmente da propagação de Covid-19, a Amazon suspendeu todos os projetos que tinha em desenvolvimento, incluindo a série sobre “O senhor dos anéis”, orçada em 896 milhões de euros, noticiou a agência espanhola Efe.

O novo coronavírus responsável pela pandemia de Covid-19 já infetou cerca de 170 mil pessoas, das quais 6.850 morreram.

Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 75 mil recuperaram da doença.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se por mais de 140 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Depois da China, que regista a maioria dos casos, a Europa tornou-se o epicentro da pandemia, com quase 60 mil infetados e pelo menos 2.684 mortos.

Itália, Espanha e França são os países mais afetados na Europa. Em Portugal, onde se registou hoje a primeira morte por Covid-19, há 331 pessoas infetadas, 18 das quais nos cuidados intensivos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Amazon quer contratar cem mil pessoas para fazer face às encomendas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião