BRANDS' CAPITAL VERDE Mobilidade elétrica? Sim, mas de fontes renováveis

  • BRAND'S CAPITAL VERDE
  • 16 Março 2020

Para garantir o seu compromisso de sustentabilidade, a Volkswagen foi além do seu setor e põe um pé no mercado da energia.

Chama-se Elli Group e é a nova subsidiária com a qual a Volkswagen entrou no mercado da energia, algo pioneiro na história dos construtores automóveis.

Numa altura em que a marca prevê lançar mais de 50 modelos totalmente elétricos até 2025 e tem como meta fundamental a neutralidade carbónica, é necessário ir além das emissões zero dos automóveis.

A entrada no mercado da energia vem no seguimento do seu compromisso em olhar para a mobilidade sustentável de forma holística, ou seja, tendo em conta toda a vida de um carro, desde a fábrica à reciclagem.

Ora, para assegurar um ciclo sustentável ou próximo de carbono zero é necessário que o carregamento das baterias aconteça em pontos cuja origem da energia sejam as fontes renováveis.

A Elli arrancou em janeiro de 2019 com o primeiro produto, Volkswagen Naturstrom, que consiste no fornecimento de energia gerada exclusivamente a partir de fontes renováveis. E não se destina apenas aos clientes da marca, nem tão pouco ao carregamento de veículos elétricos, mas também a habitações e pequenas empresas.

“Com a Naturstrom, queremos tornar a energia verde um produto disponível e de baixo custo de aquisição, ao mesmo tempo que nos estabelecemos como um parceiro fiável para soluções sustentáveis e inovadoras de energia, quer para habitações, quer para carros elétricos”, explica Thorsten Nicklass, CEO da Elli.

Esta empresa irá ser responsável por criar as denominadas Volkswallboxes, que podem ser usadas para os carregamentos domésticos dos automóveis da nova geração de elétricos da Volkswagen, a família ID.

Neste vídeo, Nicklass resume porque é que o Grupo Volkswagen se está a tornar um fornecedor de energia para carros elétricos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mobilidade elétrica? Sim, mas de fontes renováveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião