Moratórias de crédito para empresas aprovadas até final do mês

O Governo começou por anunciar as medidas de apoio às empresas, deixando para "depois" apoios concretos para as famílias.

À semelhança do que foi feito em Itália e em Espanha, também em Portugal se vai avançar com moratórias de créditos, como forma de conter os danos para a economia resultantes da pandemia do coronavírus. A legislação que irá permitir adiar ou suspender pagamentos de empréstimos às empresas deverá ser aprovada até ao final do mês de março, avançou o ministro das Finanças. Mas para já a medida restringe-se apenas às empresas. Os apoios para as famílias ficam para mais tarde, disse o ministro da Economia.

Mário Centeno falou na “possibilidade de se constituir uma moratória de capital e juros, num trabalho que está a ser desenvolvido entre o Banco de Portugal e o sistema bancário, e em particular com a APB, que o Governo tem acompanhado”. “Toda a legislação que seja necessária para concretizar esta moratória será aprovada até ao final do mês e avançará de forma efetiva para garantir que neste período temporário de choque todos possamos dar o nosso contributo”, acrescentou.

Em termos legislativos, as medidas implementadas poderão passar por o devedor em falha com o pagamento dos créditos não ser sinalizado como estando em situação de incumprimento. Do lado dos bancos, é possível que os créditos em causa tenham garantias estatais, para minimizar o risco para a banca, e que ao mesmo tempo, não sejam reconhecidos para efeitos de exigências quanto aos rácios de crédito malparado (os chamados “non performing loans”) a que os bancos são obrigados a cumprir.

O ministro das Finanças salientou ainda as medidas que têm sido tomadas ao longo dos últimos dias pelo sistema bancário, referindo-se em concreto à eliminação das taxas mínimas cobradas aos comerciantes nos pagamentos em POS. “Eliminando-se este custo fixo, todos os comerciantes podem passar a aceitar pagamentos através de cartões e meios eletrónicos sem necessidade de estabelecer qualquer valor mínimo”, referiu Mário Centeno.

Salientou ainda que, apesar de se manter pagamento em notas e numerário, “é desejável que o pagamento em numerário reduza ao mínimo indispensável nesta fase“. O ministro das Finanças avançou ainda que no âmbito dos pagamentos, será ainda aumentado o montante máximo permitido para pagamentos com cartões bancários que disponham de tecnologia contactless , que deverá passar para 30 euros. Atualmente, o limite são 20 euros.

Na conferência de imprensa que decorreu esta manhã, os ministros das Finanças e da Economia centraram-se na apresentação de medidas com impacto direto nas empresas e trabalhadores independentes. O ministro da Economia, Siza Vieira, adiantou que no que respeita a medidas concretas para as famílias estas serão anunciadas “depois”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moratórias de crédito para empresas aprovadas até final do mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião