Empresas têxteis fabricam batas para o SNS

  • ECO
  • 20 Março 2020

Grupo de empresas de vestuário e confeção avançou para a produção de batas para os profissionais de saúde. Esta sexta são oferecidas as primeiras 200 ao Hospital de Guimarães.

Esta é a primeira bata de um conjunto de 200 produzidas por um grupo de cinco empresas de vestuário e confeção que vão ser entregues ao Hospital de Guimarães esta sexta-feira. É a resposta da Polopique, da Calvelex, da Lameirinho, da Riopele e da Paulo de Oliveira, cinco empresas que, entre elas, detêm valências de toda a fileira, dos fios aos têxteis-lar, passando pelos tecidos e confeção de vestuário, na luta à propagação do novo coronavírus Covid-19.

Estas empresas aceitaram o desafio da ANIVEC – Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confecção para que as empresas da fileira têxtil e do vestuário colocassem os seus ativos e a sua capacidade instalada à disposição do Serviço Nacional de Saúde, disse ao ECO o presidente da Calvelex (e da Anivec), César Araújo.

As cinco empresas já alocaram os seus recursos técnicos, produtivos e também financeiros para produzir equipamentos de proteção individual, que serão disponibilizados aos hospitais do Sistema Nacional de Saúde (SNS).

Além dos recursos tecnológicos e humanos, vem já a seguir uma nova produção de batas para outros hospitais públicos, nomeadamente em Lisboa.

Estas empresas estão igualmente a criar um fundo monetário para ser usado na aquisição das matérias-primas necessárias à produção destes equipamentos de proteção individual. “Estas empresas foram as primeiras a responder positivamente a este desafio mas outras estarão em condições também de o fazer. Esperamos que com o esforço de todos seja possível reduzir o impacto desta pandemia na nossa sociedade”, afirma César Araújo ao ECO.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas têxteis fabricam batas para o SNS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião