Coronavírus. JP Morgan antecipa quedas do PIB de 22% na Zona Euro e 14% nos EUA

  • Lusa
  • 19 Março 2020

Face à pandemia do novo coronavírus, o PIB da Zona Euro pode cair 22%, no segundo trimestre do ano. A estimativa é dos economistas do JP Morgan.

Os economistas do banco JP Morgan estimam que a atividade económica, medida pelo produto interno bruto (PIB), no segundo trimestre caia 22% na Zona Euro, 14% nos EUA e 30% no Reino Unido, em resultado da epidemia do novo coronavírus.

“Não há dúvidas de que a expansão global mais duradoura que tenha sido registada vai chegar ao fim neste trimestre”, afirmam aqueles economistas, em nota de análise, recordando que na semana passada já tinha previsto que a Covid-19 iria provocar uma recessão durante três meses, entre fevereiro e abril.

Mas agora, o período da recessão previsto estende-se a todo o primeiro semestre e a todo o mundo, com exceção da China, como resultado de um “congelamento inédito de atividades em um amplo leque de setores”. Assim, as estimativas para o primeiro trimestre são de uma recessão a nível global de 12%, que nos EUA pode ser de 4%, na Zona Euro de 15%, no Reino Unido de 10% e na China de 41%.

Para o segundo trimestre, os economistas esperam uma contração do PIB de 14% nos EUA, de 22% na Zona Euro e de 30% no Reino Unido, enquanto a China, pelo contrário, iniciaria uma recuperação com um crescimento de 57,4%.

No terceiro trimestre do ano, a economia começaria a recuperar a nível mundial, com o PIB global a subir 19,1%, conjugando expansões de 8% nos EUA, 45% na Zona Euro, 50% no Reino Unido e 23,9% na China.

Em termos anuais, e apesar dos dois primeiros trimestres do ano, o JP Morgan estima que globalmente o PIB suba 0,5%, impulsionado especialmente pela China, de 5,1%, que anularia as recessões dos EUA (1,8%) e da zona Euro (0,1%).

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 210 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 8.750 morreram. Das pessoas infetadas, mais de 84.000 já recuperaram da doença. O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se já por 170 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus. JP Morgan antecipa quedas do PIB de 22% na Zona Euro e 14% nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião