BCE lança programa de estímulos contra o coronavírus. Pacote é de 750 mil milhões

Após uma reunião de emergência por causa da pandemia, o BCE resolveu lançar um programa de compra de ativos públicos e privados no valor de 750 mil milhões de euros.

Após uma reunião de emergência por causa da pandemia, o Banco Central Europeu (BCE) resolveu lançar um programa de compra de ativos públicos e privados no valor de 750 mil milhões de euros. Prometendo “fazer tudo o que for necessário dentro do seu mandato” para proteger a Zona Euro, Lagarde até vai comprar dívida da Grécia.

Este novo programa, anunciado esta quarta-feira à noite, 18 de março, uma semana depois da habitual reunião de política monetária em que Christine Lagarde aumentou em 120 mil milhões o valor das compras de ativos, surge como resposta da autoridade monetária ao agudizar da pandemia na Europa.

O “cheque” de 750 mil milhões de euros servirá para “contrariar os sérios riscos aos mecanismos de transmissão da política monetária e às perspetivas para a economia da Zona Euro em resultado da propagação do coronavírus, o Covid-19“, diz o BCE.

O Pandemic Emergency Purchase Programme, ou PEPP, como é designado pelo BCE, funcionará até ao final de 2020, estando na “mira” da autoridade monetária da Zona Euro todas as categorias de ativos elegíveis ao abrigo do atual programa de compra de ativos.

Serão feitas compras de títulos do setor privado e do público, sendo que neste caso há uma novidade: o BCE vai passar a comprar títulos de dívida pública da Grécia, apesar de estes continuarem a contar com um rating que os coloca fora do espetro do banco central.

O BCE diz que estas compras vão durar enquanto a crise do coronavírus continuar a assolar a região, mas o programa irá sempre ser mantido ativo até ao final deste ano.

"O Conselho de Governadores do BCE fará tudo o que for necessário dentro do seu mandato para proteger a Zona Euro.”

BCE

O “BCE está comprometido em desempenhar o seu papel no apoio a todos os cidadão da Zona Euro” naquele que considera ser um período extremamente desafiante. Irá garantir que todos os setores da economia poderão beneficiar de condições de financiamento favoráveis que lhes permitam absorver este choque. “Isto aplica-se às famílias, empresas, bancos e Estados”.

“O Conselho de Governadores do BCE fará tudo o que for necessário dentro do seu mandato” para proteger a Zona Euro, conclui o BCE, sendo esta uma alusão à promessa de Mario Draghi de fazer tudo o que fosse preciso para salvar o euro em plena crise da dívida soberana. O famoso “whatever it takes“.

(Notícia atualizada às 23h20 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE lança programa de estímulos contra o coronavírus. Pacote é de 750 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião