BCE lança programa de estímulos contra o coronavírus. Pacote é de 750 mil milhões

Após uma reunião de emergência por causa da pandemia, o BCE resolveu lançar um programa de compra de ativos públicos e privados no valor de 750 mil milhões de euros.

Após uma reunião de emergência por causa da pandemia, o Banco Central Europeu (BCE) resolveu lançar um programa de compra de ativos públicos e privados no valor de 750 mil milhões de euros. Prometendo “fazer tudo o que for necessário dentro do seu mandato” para proteger a Zona Euro, Lagarde até vai comprar dívida da Grécia.

Este novo programa, anunciado esta quarta-feira à noite, 18 de março, uma semana depois da habitual reunião de política monetária em que Christine Lagarde aumentou em 120 mil milhões o valor das compras de ativos, surge como resposta da autoridade monetária ao agudizar da pandemia na Europa.

O “cheque” de 750 mil milhões de euros servirá para “contrariar os sérios riscos aos mecanismos de transmissão da política monetária e às perspetivas para a economia da Zona Euro em resultado da propagação do coronavírus, o Covid-19“, diz o BCE.

O Pandemic Emergency Purchase Programme, ou PEPP, como é designado pelo BCE, funcionará até ao final de 2020, estando na “mira” da autoridade monetária da Zona Euro todas as categorias de ativos elegíveis ao abrigo do atual programa de compra de ativos.

Serão feitas compras de títulos do setor privado e do público, sendo que neste caso há uma novidade: o BCE vai passar a comprar títulos de dívida pública da Grécia, apesar de estes continuarem a contar com um rating que os coloca fora do espetro do banco central.

O BCE diz que estas compras vão durar enquanto a crise do coronavírus continuar a assolar a região, mas o programa irá sempre ser mantido ativo até ao final deste ano.

"O Conselho de Governadores do BCE fará tudo o que for necessário dentro do seu mandato para proteger a Zona Euro.”

BCE

O “BCE está comprometido em desempenhar o seu papel no apoio a todos os cidadão da Zona Euro” naquele que considera ser um período extremamente desafiante. Irá garantir que todos os setores da economia poderão beneficiar de condições de financiamento favoráveis que lhes permitam absorver este choque. “Isto aplica-se às famílias, empresas, bancos e Estados”.

“O Conselho de Governadores do BCE fará tudo o que for necessário dentro do seu mandato” para proteger a Zona Euro, conclui o BCE, sendo esta uma alusão à promessa de Mario Draghi de fazer tudo o que fosse preciso para salvar o euro em plena crise da dívida soberana. O famoso “whatever it takes“.

(Notícia atualizada às 23h20 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE lança programa de estímulos contra o coronavírus. Pacote é de 750 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião