Com o coronavírus, uma em cada duas compras dos portugueses foi feita em supermercados e farmácias

O surto do Covid-19 provocou uma corrida aos supermercados, hipermercados e farmácias. Uma em duas compras feitas pelos portugueses foram nestes setores na última semana.

O surto do Covid-19 em Portugal provocou uma corrida aos bens de primeira necessidade. Na última semana, uma em cada duas compras feitas pelos portugueses foi realizada em supermercados, hipermercados, farmácias e parafarmácias. Por outro lado, também houve mais levantamentos no multibanco desde o início da crise.

Os dados foram revelados esta quarta-feira pela SIBS, que opera a rede Multibanco e os terminais de pagamento automático presentes em grande parte dos estabelecimentos comerciais no país.

“Desde a confirmação de casos em Portugal, verifica-se uma concentração de compras em Super & Hipermercados e Farmácias & Parafarmácias, setores que passaram a representar uma em cada duas compras em Portugal na última semana“, adianta a SIBS em comunicado divulgado esta quarta-feira.

Na semana entre 2 e 8 de março, que se seguiu à confirmação do primeiro infetado pelo novo vírus, as compras naqueles dois setores representava 40% do total de compras. Subiu na semana seguinte (entre 9-15) para 49%, quando já se registavam 245 casos de Covid-19 no país.

A SIBS nota, porém, que se evidenciou um abrandamento na frequência nestas operações na última semana. Isto é, apesar de ter aumentado em termos relativos, as máquinas da SIBS registaram menos operações nos supermercados e hipermercados, farmácias e parafarmácias na última semana. Como é se explica isto? Por um lado, os portugueses saíram menos à rua, face à ameaça do surto. Por outro, registou uma redução ainda maior nas operações feitas por outros estabelecimentos, como restaurantes ou lojas.

Os dados da SIBS revelam também subiu o montante médio de cada compra realizada durante este período: passou de 34,7 euros por operação na semana entre 2-8 de março para 37,4 euros na semana seguinte. Ou seja, na semana passada, fizeram menos compras, mas gastaram mais.

O número de levantamentos na rede Multibanco teve uma variação similar, com um crescimento de 8 pontos na semana de 2-8 de março e uma diminuição de 3 pontos na semana de 9-15 março. O valor médio dos levantamentos subiu dos 67,8 euros para os 74,8 euros.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com o coronavírus, uma em cada duas compras dos portugueses foi feita em supermercados e farmácias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião