AEP diz que medidas de apoio à economia são “insuficientes” e “pouco claras”

A Associação Empresarial de Portugal (AEP) considera que as medidas de apoio às empresas que foram apresentadas pelo Governo são "insuficientes" e de aplicação "pouco clara".

A Associação Empresarial de Portugal (AEP) considera que as medidas de apoio à economia e ao emprego, anunciadas esta quarta-feira pelo Governo, no âmbito da pandemia do novo coronavírus, “pecam por serem insuficientes”. A associação destaca ainda que são “pouco claras na sua aplicação”.

A situação de emergência que vive a economia e as empresas, com vista a evitar-se o colapso de todo o sistema, obriga a medidas mais ambiciosas, claras e de aplicação imediata”, lê-se num comunicado da instituição liderada por Luís Miguel Ribeiro.

Para a Associação Empresarial de Portugal “a magnitude do conjunto destas medidas está ainda muito longe de alcançar as reais necessidades do nosso tecido empresarial, por forma a minimizar a profundidade da recessão da atividade económica, já sentida como certa”, lamenta a AEP.

A situação de emergência que vive a economia e as empresas, com vista a evitar-se o colapso de todo o sistema, obriga a medidas mais ambiciosas, claras e de aplicação imediata.

Luís Miguel Ribeiro

Presidente da AEP

A associação alerta ainda que o pacote de medidas agora anunciado, no valor de 9,2 mil milhões de euros, “equivale a menos de 5% do PIB [Produto Interno Bruto] anual português, muito longe do anunciado pela nossa vizinha Espanha, que ultrapassa os 16% do PIB anual espanhol”.

Para a AEP as linhas de crédito com garantia, as moratórias dos créditos e a flexibilização das obrigações fiscais e contributivas “são medidas positivas, que atuam em áreas que consideramos muito importantes, com impacto na tesouraria das empresas e na sua própria sobrevivência”.

No entanto, a organização defende que é preciso medidas “mais ambiciosas”. “Uma situação excecional, como a que estamos a viver, requer uma atuação excecional, em montante e em celeridade na sua implementação. Há que fazer mais, muito mais e com efeito imediato”, lamenta a AEP.

Face à pandemia, que já infetou pelo menos 642 pessoas em Portugal, a AEP considera que “Portugal tem de ter a ambição de conseguir manter a capacidade de criação, atual e futura, de valor”. Caso contrário, defende que “estará comprometido o futuro do nosso país e da nossa sociedade”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AEP diz que medidas de apoio à economia são “insuficientes” e “pouco claras”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião