Marcelo decreta estado de emergência. Costa aprova

O Governo deu parecer favorável à decisão de Marcelo Rebelo de Sousa de declarar estado de emergência e o decreto segue agora para o Parlamento. Costa garante que "o país não vai parar".

O Governo deu parecer favorável à decisão de Marcelo Rebelo de Sousa de declarar estado de emergência no país, devido à pandemia do novo coronavírus, disse António Costa, à saída da reunião do Conselho de Ministros convocada de urgência para analisar os resultados do Conselho de Estado. O decreto segue agora para o Parlamento.

“É fundamental que a vida continue, tudo aquilo que são as cadeias de abastecimento fundamentais de bens essenciais têm de ser assegurados, os serviços essenciais têm de continuar a ser prestados. O país não vai parar“, disse Costa, em declarações transmitidas pelas televisões.

O primeiro-ministro garante que “a democracia não está suspensa”. Costa não adianta muito sobre o conteúdo do decreto presidencial, que será revelado pelo Presidente da República e discutido no Parlamento, dizendo apenas que o recolher obrigatório não esta previsto. Se o decreto for aprovado entrará imediatamente em vigor e o Governo fica habilitado a tomar medidas. A duração é de 15 dias, mas pode ser renovada.

Cabe ao Presidente da República declarar o estado de emergência, sendo que tem de ser ouvido o Governo e a Assembleia da República tem de aprovar. Os deputados vão reunir esta tarde em plenário para votar as medidas excecionais e temporárias de resposta à pandemia, bem como este decreto.

O total de casos confirmados da doença Covid-19 em Portugal era de 642, até à passada meia-noite, de acordo com a Direção-Geral da Saúde. Há três pessoas recuperadas e duas vítimas mortais.

(Notícia atualizada às 16h30)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo decreta estado de emergência. Costa aprova

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião