Têxtil diz que “acesso imediato” ao lay-off é que salvará empregos

  • Lusa
  • 18 Março 2020

Têxtil considera que o “acesso imediato” ao lay-off simplificado é a medida “verdadeiramente salvadora” de empregos na indústria. Receio é que as empresas não tenham capacidade para pagar os 30%.

O setor têxtil considera que “vão na direção certa” as medidas de apoio anunciadas esta quarta-feira pelo Governo, mas avisa que o “acesso imediato” ao lay-off simplificado é a medida “verdadeiramente salvadora” de empregos na indústria.

“Todas estas medidas são muito importantes, mas dentro da indústria a medida que é mais importante, que terá mais impacto para salvar empregos, é a possibilidade de as empresas virem a recorrer ao lay-off simplificado. As outras ajudam, mas essa é que é a medida verdadeiramente salvadora de empregos”, afirmou o presidente da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP) em declarações à agência Lusa.

Segundo Mário Jorge Machado, as regras do novo regime “simplificado” de lay-off (suspensão temporária dos contratos de trabalho) em vigor desde segunda-feira preveem que só as empresas com uma quebra de pelo menos 40% da faturação com referência ao período homólogo de três meses possam recorrer a este instrumento, “o que implica que a empresa já tem a infeção espalhada por todo o corpo quando lhe dão o antibiótico”.

“A medida é bem pensada, vai na direção daquilo que é necessário, só que tem de ser de aplicação imediata, não pode ser uma situação em que tem de se esperar que a infeção se espalhe por todo o corpo para o antibiótico poder ser aplicado, porque aí já pode não funcionar”, sustentou.

Outro dos receios do presidente da ATP é que as empresas não tenham sequer capacidade para pagar os 30% do salário do trabalhador que ficam a seu cargo durante o lay-off (os restantes 70% são assegurados pela Segurança Social), considerando que deveria ser equacionada a hipótese de redução temporária das remunerações dos funcionários.

“É preciso saber se, nesta altura, não deveríamos pedir sacrifícios a todos, inclusivamente aos trabalhadores. Entre receberem só 70% do seu salário e terem emprego ou receberem 100% durante algum tempo e depois já não terem emprego quando for para retomar a atividade, é fácil perceber que as pessoas preferem receber menos e manterem o emprego”, sustentou.

O Governo anunciou esta quarta-feira um conjunto de linhas de crédito para apoio à tesouraria das empresas no montante total de 3.000 milhões de euros, destinadas aos setores mais atingidos pela pandemia Covid-19, com um período de carência até ao final do ano e que podem ser amortizadas em quatro anos.

Na indústria, em particular têxtil, vestuário, calçado, indústria extrativa e da fileira da madeira, o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, anunciou uma linha de 1.300 milhões, sendo 400 milhões de euros destinados a micro e pequenas empresas.

Segundo foi anunciado esta quarta-feira pelo executivo, as empresas vão ter ainda a acesso a uma moratória, concedida pela banca, no pagamento de capital e juros e as contribuições para a Segurança Social serão reduzidas a um terço em março, abril e maio, “por forma a preservar o emprego”.

O coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou mais de 189 mil pessoas, das quais mais de 7.800 morreram.

Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 81 mil recuperaram da doença.

Em Portugal, o número de infetados pelo novo coronavírus subiu para 642, mais 194 do que os contabilizados na terça-feira, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Têxtil diz que “acesso imediato” ao lay-off é que salvará empregos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião