Oitenta mil cidadãos da UE no estrangeiro pediram para ser repatriados

  • Lusa
  • 18 Março 2020

Devido ao surto de Covid-19 cerca de 80 mil cidadãos da União Europeia no estrangeiro pediram às autoridades nacionais para serem repatriados.

A Comissão Europeia disse esta quarta-feira que 80 mil cidadãos da União Europeia (UE) no estrangeiro pediram já às autoridades nacionais para serem repatriados devido ao surto de Covid-19, e recordou que os pedidos devem ser submetidos aos Estados-membros.

“Segundo os dados mais recentes, que têm por base o registo dos Estados-membros nos contactos feitos com os seus cidadãos, estamos a falar de um número agregado de 80 mil pessoas”, declarou o porta-voz da Comissão Europeia para assuntos externos e política de segurança, Peter Stano.

Falando na conferência de imprensa diária do executivo comunitário, em Bruxelas, o responsável notou que também existem “muitos cidadãos dentro da UE que querem voltar ao seu país”.

Nos casos referentes ao estrangeiro, estão em causa países como Japão, Estados Unidos, Sri Lanka e Maldivas, nos quais estão cidadãos europeus que, por viagens canceladas ou suspensas devido ao surto de Covid-19, estão retidos e à espera de serem repatriados.

Peter Stano vincou que “o contacto, a chamada telefónica” deve ser, em primeira instância, direcionada aos consulados-gerais nestes países fora da UE.

“Sempre e quando é necessário, nós tentamos coordenar, mas de facto a responsabilidade cabe aos Estados-membros no que toca a questões como alugar aviões”, explicou, admitindo que Bruxelas possa financiar algumas operações.

À Comissão cabe, então, “apoiar os Estados-membros e coordenar a situação”, apontou Peter Stano, lembrando que isso já motivou suporte a ações de repatriamento de cidadãos retidos em Marrocos, num total de 619 pessoas repatriadas esta semana ao abrigo do Mecanismo Europeu de Proteção Civil.

“Uma grande parte da cooperação do nosso lado é com as autoridades locais porque devido a medidas como encerramento de aeroportos, suspensão de voos e restrições às viagens, as pessoas podem ficar retidas”, adiantou Peter Stano.

Por seu lado, o porta-voz principal da Comissão Europeia, Eric Mamer, sublinhou na ocasião que este apoio de Bruxelas ao repatriamento “depende também da capacidade de encontrar voos para trazer estas pessoas de volta para a Europa”.

“Isto nem sempre é conseguido porque os outros países [no estrangeiro] também estão a cancelar voos de e para a Europa e de e para as outras partes do mundo”, observou o responsável, considerando que, “do ponto de vista logístico, este é um enorme desafio”.

“Temos vindo a cofinanciar voos organizados pelos Estados-membros para fazer repatriamentos e vamos continuar a fazê-lo até aos limites da nossa capacidade orçamental”, assegurou Eric Mamer.

O responsável apelou ainda a solidariedade entre os Estados-membros, que devem “ajudar-se uns aos outros” em ações que realizem, trazendo cidadãos de outros países europeus.

O coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou mais de 194 mil pessoas, das quais mais de 7.800 morreram.

Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 81 mil recuperaram da doença.

Face ao avanço da pandemia, vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oitenta mil cidadãos da UE no estrangeiro pediram para ser repatriados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião