Covid-19: Dúvidas laborais, contratuais e de saúde invadem e-mails dos advogados

A pandemia está a assolar o mundo e várias são as questões que se impõem. À Advocatus as sociedades de advogados garantem que as dúvidas são constantes.

A pandemia Covid-19 que assola Portugal e o mundo nos últimos meses tem deixado os portugueses e empresas sem saber como reagir. Os advogados encontram-se sem mãos a medir no aconselhamento aos seus clientes sobre o que devem fazer.

Questões laborais, contratuais e de saúde e farmacêuticas são as mais frequentes que as sociedades de advogados têm recebido face ao Covid-19.

“A PLMJ criou uma equipa multidisciplinar dedicada a analisar os desafios legais, mas também operacionais que resultam do impacto muito negativo que o Covid-19 já está a ter nas empresas e de uma forma transversal. Assim a equipa que montámos tem a lógica full service mas também uma abordagem setorial, capaz de acompanhar os nossos clientes de A a Z”, refere fonte oficial da PLMJ à Advocatus.

Também a PRA – Raposo, Sá Miranda & Associados adaptou-se à realidade e criou o Help Desk|Covid-19. “Esta plataforma é de apoio especializado em matérias jurídicas relacionadas com esta crise de saúde pública e pretende acompanhar questões específicas dos seus clientes, relacionadas com os impactos deste surto, seja através de esclarecimentos diretos ou através do envio de newsletters em áreas como: comercial contratos e concorrência, contratação pública, fiscal, laboral ou a nossa unidade económica da farmácia e do medicamento”, explica fonte oficial da PRA.

No que concerne ao setor laboral, as questões prendem-se com as “obrigações das empresas diante dos riscos de contágios e medidas de prevenção e de reação que devem ser implementadas” e “matérias mais estratégicas, designadamente obrigações e consequências de diversos cenários relacionados com ausências de trabalhadores, a possibilidade de aplicação do regime de teletrabalho e medidas para enfrentar situações de paragem que necessariamente trarão um impacto económico negativo, em particular relacionadas com o mecanismo do lay-off”, nota a sociedade liderada por Luís Miguel Pais Antunes.

Também questões sobre o teletrabalho, o trabalho por turnos, o regime de férias e a figura jurídica do lay off são colocadas à sociedade de advogados Aventino & Associados. “Os nossos clientes têm nos questionado também sobre, se devem ou não proceder à aplicação da figura jurídica denominada de ‘lay off’”, afirma Francisco Aventino Pinheiro.

“No âmbito específico da situação que se vive, devido ao coronavírus, temos tido questões específicas de âmbito laboral e também questões relacionadas com o impacto sobre os contratos em geral”, refere à Advocatus fonte oficial da FCB Advogados.

No setor contratual, as preocupações também são muitas. “Neste momento, as principais preocupações do mercado são de enquadramento do impacto da contingência nos vários contratos da “cadeia primária”, de acordo com a lei existente: contratos de distribuição, contratos de fornecimento, contratos de transporte, contratos de concessão, contratos de empreitada, contratos de parceria, contratos de investimento, contratos de trabalho, entre outros”, refere Catarina Monteiro Pires, sócia da Morais Leitão.

Para o advogado da Aventino & Associados, os clientes pretendem ainda informar-se sobre o cumprimento de contratos, prazos de entrega e se o facto de não os cumprir acarreta penalidades, ou se existe na lei alguma salvaguarda para tal situação.

Com a economia a sofrer um grande impacto do Covid-19, a área dos mercados de capitais e corporate é também bastante solicitada. “Sobretudo as questões mais centrais da operação e que aportam risco financeiro óbvio e potenciais impactos económicos muito negativos, que é necessário prevenir e mitigar”, nota a PLMJ.

“Os mercados financeiros sofrem um impacto significativo, alastrando efeitos a vários contratos bancários e financeiros”, refere a Catarina Monteiro Pires, sócia da Morais Leitão.

Na área da saúde os clientes também possuem várias questões referentes quer ao modo de funcionamento dos estabelecimentos deste setor, quer ao nível regulatório, quanto ao fabrico, importação e distribuição de equipamentos de proteção individual.

No que concerne a medidas preventivas, a área da PLMJ liderada por Eduardo Nogueira Pinto, destacam a “assessoria na análise de modelos alternativos de exercício da atividade em caso de verificação de situações de quarentena ou de infeção e os procedimentos a adotar perante um possível cenário de escassez de medicamentos ou rutura na cadeia de abastecimento”.

“A nível de direito de saúde, o que pretendem saber é se é obrigatório, ou não, a afetação de espaços como salas de isolamento e casas de banho próprias para suspeitos de infeção pelo Covid-19”, assegura Francisco Aventino Pinheiro, da Aventino & Associados.

Mas ainda são muitas as leis e obrigações legais que estão a ser colocadas à prova, segundo o entendimento da sócia da Morais Leitão. “Por exemplo, a lei que regula os espetáculos artísticos e festivais de verão. As perguntas são duas: o que acontece aos contratos e obrigações (cessam? suspendem-se? modificam-se? mantêm-se?) e de quem é o risco económico e financeiro. Mas os problemas que estão na base, e dos quais depende a resposta, são muito diversos, exigindo uma análise rigorosa caso a caso. Com o tempo, é possível que irrompam vários litígios, uma vez que são matérias que, muitas vezes, não gerarão consenso entre as partes”, explica.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Dúvidas laborais, contratuais e de saúde invadem e-mails dos advogados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião