Covid-19: Atenas anuncia pacote de 2.000 milhões e proíbe despedimentos

  • Lusa
  • 18 Março 2020

Entre as medidas anunciadas pelo governo grego, está a proibição de despedimentos em empresas atingidas pelo impacto do Covid-19 e a redução do IVA em produtos relevantes nesta crise, como máscaras.

O Governo grego anunciou esta quarta-feira um pacote de medidas extraordinárias económicas no valor de 2.000 milhões de euros para atenuar o impacto da pandemia do novo coronavírus, que inclui a proibição de despedimentos em empresas atingidas.

Entre as ajudas principais está o pagamento em abril de 800 euros a cerca de meio milhão de trabalhadores que não pode ir trabalhar, porque as empresas foram forçadas a fechar por ordem estatal.

O Governo proíbe também as lojas e estabelecimentos que tiveram que fechar de fazer despedimentos. Qualquer despedimento será considerado nulo, informou o ministro do Trabalho grego, Yannis Vrutsis.

Para atenuar o impacto económico, o Estado lançou apoios para melhorar a liquidez das empresas atingidas e adiou o pagamento de impostos e descontos pelo prazo de quatro meses.

Todos os produtos relevantes nesta crise, como máscaras, luvas ou produtos antisséticos ficam sujeitos à taxa de IVA super reduzida de 6% em vez da habitual de 24%.

O Governo prevê que a crise do novo coronavírus terá um grande impacto na economia, que acabava de começar a recuperar, e em vez de um acréscimo do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,8% previsto inicialmente para este ano, antecipa agora um crescimento nulo (0%).

O ministro das Finanças, Jrístos Staikuras, informou que segundo foi decidido pelo Eurogrupo na segunda-feira “felizmente a Grécia não terá de gerar este ano um excedente de 3,5% do PIB como marcam as pautas acordadas para a era pós-resgate”.

Os ministros da Economia e Finanças também aceitaram que a Grécia não tenha que incluir gastos resultantes da crise migratória e da pandemia do Covid-19 nas contas públicas.

A Grécia está há dias com um regime severo que proíbe a atividade de todo o tipo de centros de lazer, incluindo praias e estações de ski, bem como cafés, cinemas e teatros. Desde o fim de semana estão fechadas todas as grandes superfícies comerciais.

Desde esta quarta-feira também está fechado o comércio a retalho, com exceção das lojas de alimentação e outros serviços considerados necessários para o abastecimento da população, como as estações de serviço, farmácias, bancos e oficinas.

Segundo os dados mais recentes, o número de mortos pelo Covid-19 cifra-se em cinco e há 387 casos confirmados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Atenas anuncia pacote de 2.000 milhões e proíbe despedimentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião