Berlim usará “todas as armas” para aliviar impacto do vírus nas empresas

  • ECO e Lusa
  • 13 Março 2020

Em conferência de imprensa, o ministros da Economia e das Finanças alemães prometeram um programa de crédito "sem limites" para empresas, de forma a evitar problemas de liquidez.

Angela Merkel já tinha dito que a crise do novo coronavírus tem tomado proporções “mais extraordinárias” do que as da crise financeira. Agora, o governo alemão prepara-se para anunciar medidas de apoio à economia, recorrendo a “todas as armas” que estiverem disponíveis.

O ministro da Economia, Energy Peter Altmaier, e o ministro das Finanças, Olaf Scholz, garantiram esta sexta-feira que vão apresentar medidas adicionais “muito abrangentes” no valor de “muitos milhares de milhões”, no sentido de ajudar as empresas a suportarem o impacto do coronavírus na maior economia europeia. “Vamos usar todas as armas para garantir que combatemos o coronavírus”, garantiu Scholz numa conferência de imprensa.

Ente as medidas que estão a ser alinhavadas pelo governo alemão está a isenção de impostos temporários às empresas alemães, uma medida que custar “muitos milhares de milhões” ao país, avisou. Além disso, de forma a dar confiança às empresas e à população, a “mensagem essencial” é a de que “não há limite superior para os créditos” que o banco público KfW pode conceder através da banca comercial, apontou também.

O Governo alemão vai também ajudar as empresas ao nível fiscal, permitindo adiar o pagamento de impostos com o objetivo de que nenhuma empresa viável entre em falência por causa dos efeitos da pandemia.

Além destas medidas para assegurar a liquidez, o Governo alemão e o Bundestag (câmara baixa) já aprovaram um sistema para facilitar o Kurzarbeit, a redução da jornada temporal e com garantia de emprego. O Governo alemão está decidido a fazer tudo o que é possível para superar esta crise” e pronto para disponibilizar “todas” as suas “possibilidades económicas”.

Assim, Altmaier indicou que o governo dará a garantia necessária para que o banco KfW possa cumprir com o anunciado, e isso mediante uma ampliação das garantias que estabelece o Orçamento federal, até ultrapassar meio bilião de euros.

Entre as medidas anunciadas está também a ampliação dos programas existentes para ajudar a liquidez das empresas e com o objetivo de “mobilizar” empréstimos à banca privada. Este “escudo protetor” tem como objetivo garantir que as empresas atravessam este período com liquidez suficiente e em boa forma.

Tal como em vários países, o impacto do coronavírus está a ser notado na Alemanha, numa altura em que o país regista mais de 3.000 infetados com o vírus. Seis pessoas morreram por causa da doença Covid-19.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Berlim usará “todas as armas” para aliviar impacto do vírus nas empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião