Petróleo continua a cair. Barril está mais perto dos 25 dólares

Por todo o mundo, há fábricas paradas, mas também milhões de consumidores fechados em casa. Procura global pela matéria-prima está a afundar, arrastando os preços nos mercados internacionais.

O petróleo continua a perder valor nos mercados internacionais. Numa altura em que os países anunciam biliões de dólares de estímulos para conter o impacto do coronavírus na economia, os preços recuam perante a perspetiva de forte quebra na procura mundial pela matéria-prima.

Em Londres, o Brent, que serve de referência para as importações nacionais, segue a cair quase 3% para cotar cada vez mais perto dos 25 dólares. Está nos 26,26 dólares por barril, mantendo-se ainda assim com um ligeiro prémio face ao West Texas Intermediate. O WTI, negociado em Nova Iorque, ganha 0,5% para cotar nos 22,88 dólares.

Brent cada vez mais perto dos 25 dólares

Os preços da matéria-prima têm caído nas últimas quatro semanas, acumulando quedas de cerca de 60% desde o início do ano, pressionados, em grande parte, pelo vírus que surgiu na China.

A pandemia que já infetou mais de 300 mil pessoas em todo o mundo, levando a mais de 14 mil mortes, está a parar praticamente todos os países. Todos os dias são anunciados pacotes de estímulos orçamentais, a que se juntam as ações do bancos centrais, mas os investidores duvidam da capacidade para evitar uma recessão.

A perspetiva de uma forte quebra na economia mundial tem levado a um ajuste em baixa das perspetivas para a procura global de petróleo, bem como de outras matérias-primas, ditando quedas acentuadas nas cotações nos mercados internacionais.

Por todo o mundo, há fábricas paradas, mas também milhões de consumidores fechados em casa, a cumprir o confinamento pedido pelas autoridades, levando a uma quebra expressiva na procura.

“Mesmo que os preços do petróleo consigam recuperar um bocadinho, a tendência continuará a ser de queda tendo em conta que a procura só irá piorar à medida que mais países reforçam o encerramento das atividades não-essenciais”, nota Edward Moya, analista sénior da OANDA.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo continua a cair. Barril está mais perto dos 25 dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião