Euler Hermes: Europa vai liderar aumento de falências empresariais em 2020

  • ECO Seguros
  • 25 Março 2020

As falências de empresas aumentam em 2020 com maior incidência na Europa, previne a Euler Hermes. Em relatório conjunto com a Allianz, antecipa que a pandemia durará, pelo menos, até junho.

O aumento de falências ocorrerá a uma escala internacional, antevê a Euler Hermes, seguradora global de crédito acionista da portuguesa Cosec. A companhia francesa estima que, em termos globais, os casos de insolvência registarão um acréscimo de 14% este ano, prevendo ainda que as fragilidades acumuladas pelas empresas ao longo do período da pandemia impossibilitem, depois, o cumprimento de responsabilidades adiadas.

Particularizando o caso da economia francesa, a Euler Hermes refere um acréscimo de 8% em número de falências empresariais “uma inversão notável” interrompendo um ciclo de quatro anos consecutivos de declínio no indicador. No início de janeiro, outro relatório da seguradora antecipava que França seria uma das exceções positivas no cenário global de insolvências, com variação nula em fenómenos desta natureza, apenas precedida pelo Brasil, onde as falências teriam decréscimo superior a 3%.

“A tesouraria das empresas francesas já estava enfraquecida antes da epidemia de Covid-19. As medidas estatais devem permitir evitar uma crise de liquidez a curto prazo, mas os reembolsos futuros serão difíceis de efetuar para algumas empresas francesas devido à sua fragilidade anterior. Esperamos, portanto, um forte aumento das insolvências na França este ano”, explica Eric Lenoir, presidente executivo da Euler Hermes France.

Questionando se a alteração de tendência em França será apenas consequência direta do choque global que o mundo atravessa (o ambiente político-social em França já apresentava sinais de instabilidade e incerteza), a instituição líder mundial nos seguros de crédito aponta os blocos que geram agora maior preocupação em incremento de falências: Europa (+16% de insolvências em 2020), China (+15%) e EUA (+8%).

Aumento percentual das falências por blocos económicos

Fonte: Euler Hermes-março 2020

 

No seu «Global Insolvency Report» para 2020, publicado no início de janeiro e cobrindo 44 países, a Euler Hermes antecipava que as falências cresceriam em quatro de cada 5 países este ano, mantendo-se o incremental dos anos anteriores, depois de terem aumentado 9% em 2019. No documento de há dois meses previa-se subida mundial de 6%, com destaque para Ásia (+20% em 2019) e a Europa ocidental (+2% em 2019).

O cenário que sustentava estas projeções identificava os riscos de maior peso para créditos à exportação: o ritmo lento de crescimento da economia, em particular nos blocos mais industrializados; efeitos de disputas comerciais; incerteza política e tensões sociais. A juntar a estes fatores, a tendência de falências seria ainda potenciada por concorrência acrescida na função preço e subida nos custos de produção, em particular em salários.

Porém, num par de meses, tudo mudou e para pior.

Quarentenas ditam recessão profunda com covid-19 a resistir até junho

Ora, por causa da crise económica e sanitária (pandemia covid-19) que coloca as empresas sob “pressão intensa”, a Euler Hermes assume cenário macroeconómico revisto para este ano. Aprofundando os efeitos do vírus que parou o mundo, a seguradora remete para um relatório mais detalhado, que beneficia da contribuição de economistas e especialistas da Allianz. À luz dessa análise, a economia global crescerá apenas 0,8%, contra 2,5% em 2019, uma desaceleração mais forte do que já estimara antes da pandemia que está a afundar o comércio internacional.

O estudo “COVID-19: Quarantined Economics”, elaborado em conjunto com a Allianz Research, refere que cada mês de confinamento na União Europeia, China e Estados Unidos representa uma quebra estimada de 317 mil milhões de dólares no volume de exportações mundiais.

Cada trimestre de interrupção do comércio internacional custa 722 mil milhões de dólares, principalmente devido às medidas de contenção e restrições fronteiriças implementadas pela UE e pelos Estados Unidos, quantifica o relatório. Para a França, por exemplo, a Euler Hermes estima que a recessão represente um recuo de 1,3% no PIB, anulando o crescimento alcançado em 2019.

O cenário central assumido no estudo desenha a primeira metade de 2020 marcada por uma recessão acentuada na maioria dos países desenvolvidos e economias emergentes, esperando que, à depressão, suceda uma recuperação em ‘U’ no período seguinte. Mas o relatório deixa outro aviso: a retoma não será fácil em particular para os setores de retalho e turismo e para as empresas que já apresentavam fragilidades de balanço (endividadas e com escassez de capital) antes da catástrofe sanitária.

No cenário alternativo, de crise mais prolongada e recuperação mais lenta (12 a 18 meses), antecipam-se problemas agravados a nível de liquidez, eventos de crédito, stress nos mercados de capitais e de dívida. Com estas condições, a recessão económica prolongar-se-á até 2021.

A improvável mas real catástrofe sanitária está a empurrar a economia global para um quadro semelhante ao da crise financeira iniciada em 2008. Ao longo do relatório encontram-se referências à teoria dos ‘cisnes negros’, assume-se a inevitabilidade – mas também se questiona a eficácia – de medidas económicas típicas de situação de guerra com ‘milhões de empregos em risco’.

Os autores do estudo admitem que, tendo em conta a propagação da pandemia e a cronologia dos regimes de quarentena aplicados em Itália, França e Espanha (face a datas de igual procedimento na China), a pandemia global deverá prolongar-se, pelo menos, até junho.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Euler Hermes: Europa vai liderar aumento de falências empresariais em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião