Centeno alerta para défice e recessão, mas vê “país preparado” para crise do vírus

O ministro das Finanças reage esta tarde ao facto de ter alcançado um excedente orçamental de 0,2% do PIB em 2019, o primeiro em democracia. Para 2020 volta o défice num cenário de "recessão".

O ministro das Finanças garantiu aos portugueses que “o país nunca esteve tão bem preparado como hoje para uma crise desta natureza”, a do coronavírus. Mas Mário Centeno não nega que 2020 será complicado e que o cenário com que trabalha é de “recessão” no conjunto do ano, o que terá “impacto” nas contas públicas.

As declarações foram feitas esta quarta-feira no Ministério das Finanças numa conferência de imprensa em reação aos dados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE): Portugal registou pela primeira vez um excedente orçamental de 0,2% do PIB em 2019, a primeira vez que tal acontece no período de democracia. Para 2020, o Governo já admitiu que não haverá excedente e que a dimensão do défice dependerá da dimensão e do impacto da atual crise.

Para o ministro das Finanças, esse resultado dá a Portugal “uma base económica sólida” para ultrapassar este período de “paragem abrupta” — Centeno admitiu uma redução “muito acentuada” da atividade económica no segundo trimestre — e para depois retomar a normalidade. “Esta crise não tem nenhuma dimensão estrutural nem é específica da economia portuguesa“, assinalou, referindo o caráter mundial e “simétrico” desta “pancada” na economia.

“A paragem súbita nunca vista vai ter impacto nas contas públicas, o qual será em função da dimensão da recessão”, afirmou Centeno, admitindo que o “choque” poderá ser de “alguns” pontos percentuais do PIB. A deterioração do saldo orçamental será provocada pelos estabilizadores automáticos (como o subsídio de desemprego) que “funcionarão livremente”, garantiu Centeno, e pelo aumento dos apoios à economia neste período. Mas, para já, as medidas anunciadas têm uma “execução orçamental que está dentro dos limites previstos”, o que sugere que, no imediato, não haverá orçamento retificativo.

Mário Centeno assume também que o desafio da execução orçamental será “extraordinariamente maior” em 2020, mas argumenta que o Estado tem margens orçamentais que poderá usar, tal como já tinha referido anteriormente. O ministro revelou também que em janeiro e em fevereiro os dados da receita fiscal e das contribuições continuavam a mostrar o dinamismo da economia portuguesa que tinha acelerado no quarto trimestre de 2019, mas tal vai ser interrompido em março. Questionado sobre se a austeridade regressará, Centeno afastou esse cenário, afirmando que “esta crise deve ser enfrentada de forma temporária”.

Em específico sobre a área da saúde, que está atualmente sob stress a todos os níveis, o ministro das Finanças avançou com números: a despesa anual do SNS cresceu 1.630 milhões de euros, mais 17,8%, nos últimos quatro anos e as despesas com pessoal subiram 28% (mais 958 milhões de euros). Para Centeno estes investimentos “permitem-nos hoje estar muito melhor equipados para responder aos desafios que se nos colocam” e garante que os portugueses podem ter “confiança na capacidade e nos recursos do país para lidar com os desafios”.

O foco está na resposta à crise sanitária uma vez que disso depende também o regresso da economia à normalidade, mas até lá haverá uma paragem “nunca antes vista” da produção. “Tudo faremos para restaurar a confiança e voltar à normalidade“, assegurou, numa tentativa de dar “confiança” aos portugueses, referindo também que fará as “adaptações necessárias” ao programa de financiamento do Estado que é implementado pelo IGCP.

(Notícia atualizada com mais declarações às 16h41)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno alerta para défice e recessão, mas vê “país preparado” para crise do vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião