Portugal com excedente de 0,2%. É a primeira vez em democracia

O Instituto Nacional de Estatística (INE) anunciou esta quarta-feira que Portugal registou um excedente de 0,2% do PIB em 2019. É a primeira vez que tal acontece em democracia.

Pela primeira vez em democracia, e tal como António Costa tinha antecipado ontem, Portugal registou um excedente orçamental de 0,2% do PIB em 2019, anunciou o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira. Este é o valor em contabilidade nacional, a ótica que interessa à Comissão Europeia e a nível internacional.

“O saldo do setor das Administrações Públicas (AP) registou um aumento de 0,3 pontos percentuais no ano terminado no 4º trimestre de 2019, relativamente ao trimestre anterior, situando-se em cerca de 403,9 milhões de euros, o que correspondeu a 0,2% do PIB (-0,4% do PIB em 2018)”, escreve o gabinete de estatísticas. Ontem o primeiro-ministro já tinha dito que havia “grande probabilidade” de Portugal ter chegado a um excedente em 2019, o qual já não irá acontecer em 2020. Esta é a estimativa preliminar do INE, a qual poderá ser revista em próximos destaques.

Um excedente orçamental significa que a diferença entre a receita e a despesa pública foi positiva pela primeira vez em democracia: 403,9 milhões de euros de superávit (-904 milhões de euros em 2018). Tal como tem acontecido nos últimos anos, este desempenho é explicado “por um aumento da receita (3,8%) superior ao da despesa (+2,3%)”. É desta forma que, pelo menos em 2019, a comum palavra “défice” deu lugar a “excedente” para se referir o saldo orçamental.

Do lado da despesa, houve um aumento dos gastos com prestações sociais, despesas com pessoal e subsídios ao passo que os encargos com juros baixaram. Do lado da receita, a maior parte dos impostos encaixou mais receita em 2019, face a 2018, mas o destaque vai para as contribuições sociais que aumentaram 1,7%, beneficiando da melhoria contínua do mercado de trabalho. A última previsão do Governo, feita já no final do ano na proposta do OE 2020, apontava para um défice de 0,1% do PIB em 2019.

Este excedente é ainda mais expressivo dado que, após alguma especulação sobre o impacto que teria nas contas públicas, o INE acabou por contabilizar uma despesa de 219 milhões de euros relativos a uma compensação do Estado à concessionária AEDL – Autoestradas do Douro Litoral. Mesmo assim, houve um excedente orçamental, o que sugere que este podia ser ainda maior se excluída esta despesa.

Do ponto de vista das várias partes que compõem as administrações públicas, este excedente orçamental é conseguido com o superávit registado nas contas da administração regional e local (ilhas e autarquias) e dos fundos da segurança social, ao passo que a administração central continua a registar um défice.

“Em particular, o saldo dos Fundos de Segurança Social aumentou face a 2018 em mais de 900 milhões de euros, em resultado sobretudo do acréscimo de quase 1,5 mil milhões de euros na receita de contribuições sociais, que mais que compensou o aumento na despesa, de onde se destaca o aumento de 1,1 mil milhões de euros da despesa em prestações sociais (exceto transferências sociais em espécie)”, explica o INE.

O excedente orçamental primário, que retira o valor da despesa com o serviço da dívida, aumentou 789 milhões de euros em 201, atingindo os 6,8 mil milhões de euros (cerca de 3% do PIB).

INE antecipa mudanças substanciais

Apesar de este excedente orçamental ser inédito em democracia — e de colocar as contas públicas num melhor ponto de partida para 2020 –, poderá haver poucas razões para o celebrar por diversas razões.

Desde logo porque, tal como já admitiu o Governo, esta deixou de ser a prioridade com o país em estado de emergência dado que é preciso investir na saúde e na economia para combater o impacto do coronavírus, o que levará Portugal novamente para um défice orçamental este ano, ao contrário do que estava previsto. Neste momento, já está em cima da mesa a formulação de um orçamento retificativo ou “suplementar”, como lhe chamou Rui Rio.

O próprio Instituto Nacional de Estatística (INE) sugere que “é de esperar que as tendências aqui analisadas se alterem substancialmente” ao explicar que a informação deste destaque não reflete ainda a situação atual de pandemia a nível mundial. “De qualquer modo, a informação hoje disponibilizada é útil para estabelecer uma referência para avaliar desenvolvimentos futuros”, considera o gabinete de estatísticas, que vai tentar manter o calendário de produção e divulgação dos dados.

Dito isto, o INE pede a colaboração “das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às solicitações do INE, utilizando a Internet e o telefone como canais alternativos aos contactos presenciais”. Só assim, alerta, é que o gabinete de estatísticas terá “capacidade para identificar os impactos da pandemia Covid19”.

Na informação que foi enviada hoje a Bruxelas, o Governo ainda não atualizou a previsão do saldo orçamental (atualmente de um excedente de 0,2% do PIB em 2020), o que deverá acontecer em abril quando entregar o Programa de Estabilidade, cujo prazo poderá ser mudado, como já admitiu um porta-voz da Comissão Europeia. O mesmo acontece para o crescimento do PIB ou a trajetória do rácio da dívida pública — o indicador mais vigiado por investidores e agências de rating — que aponta para os 114,7% do PIB em 2020.

(Notícia atualizada às 11h44 com mais informação)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Portugal com excedente de 0,2%. É a primeira vez em democracia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião