Covid-19: Fundo soberano norueguês já perdeu 113.000 milhões devido à pandemia

  • Lusa
  • 26 Março 2020

Aquele que é considerado o maior fundo de pensões do mundo já perdeu 113.000 milhões de euros devido à crise provocada pela pandemia do Covid-19.

O Fundo de Pensões Global do Estado norueguês, o maior do mundo, revelou esta quinta-feira que já perdeu 1,3 biliões de coroas norueguesas (113.000 milhões de euros) devido à crise provocada pela pandemia do Covid-19.

O rendimento dos investimentos do fundo, que coloca as receitas do gás e do petróleo noruegueses no estrangeiro, desceu em média 16,2%, 23% no caso do investimento em ações, o maior do fundo.

A perda de valor das ações fez com que estas representem agora 65% da carteira de investimentos e não 70% como é habitual, implicando que o fundo norueguês vá ao mercado para comprar mais destes títulos.

“Houve uma queda significativa nos mercados bolsistas nas últimas semanas. São tempos especiais na sociedade, na economia e nos mercados financeiros internacionais”, declarou numa conferência de imprensa Yngve Slyngstad, CEO (Chief Executive Officer) do Norges Bank Investment Management (NBIM), entidade gestora do fundo.

Slyngstad sublinhou, contudo, que esta perda está abaixo dos lucros alcançados em 2019, que ascenderam a 1,7 biliões de coroas norueguesas (143.000 milhões de euros), depois de obter o segundo melhor rendimento dos seus investimentos na história do fundo, criado em 1998.

O valor do fundo era, contudo na quarta-feira de 10,13 biliões de coroas norueguesas (cerca de 860.000 milhões de euros), superior ao registado em finais de 2019, o que se explica pela forte depreciação da coroa norueguesa nos últimos meses.

“É preciso recordar que estamos a trabalhar com um horizonte de 30 anos nos nossos investimentos”, disse Slyngstad, que será substituído por Nicolai Tangen, que já chefiou o fundo de investimento da AKO Capital.

Slyngstad tinha anunciado a sua partida há meses, depois de 12 anos no comando do NBIM.

A crise do coronavírus e os baixos preços do petróleo atingiram a economia da Noruega, o principal exportador de petróleo e gás da Europa Ocidental e que regista taxas históricas de desemprego.

Recentemente, o Governo norueguês abriu a porta para à possibilidade de retirar mais dinheiro do que o habitual do fundo em 2021 para enfrentar as consequências da crise.

As regras operacionais do fundo afirmam que o Governo pode usar no máximo 3% do valor do fundo nos orçamentos anuais, embora este limite tenha sido excedido ocasionalmente.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Fundo soberano norueguês já perdeu 113.000 milhões devido à pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião