Bankinter dá moratória de seis meses às famílias. Vai até 12 meses às empresas

Para as famílias, o banco oferece carência de amortização de capital durante seis meses, enquanto no caso das empresas, essa carência pode ir até aos 12 meses.

O Bankinter, a par de outros bancos como a CGD, Santander, BPI e Crédito Agrícola, também já se disponibilizou para oferecer moratórias no crédito às famílias e empresas. Para as famílias oferece carência de amortização de capital durante seis meses, enquanto no caso das empresas, essa carência pode ir até aos 12 meses.

No caso das famílias, a moratória aplica-se tanto no crédito à habitação como no crédito pessoal, com a suspensão da amortização do capital por um prazo até seis, “com extensão do prazo do empréstimo pelo mesmo período, aplicável às operações em situação regular“, dá nota a instituição financeira em comunicado.

Já no caso do crédito a empresas, o Bankinter dá a “possibilidade de atribuição de carência de amortização de capital até doze meses para operações de médio / longo prazo em curso e em situação regular, sem alteração no spread e sem cobrança de qualquer comissão de alteração do contrato”.

O banco espanhol explica que essas disponibilidades “serão ajustadas às orientações e enquadramento legal que venham a ser definidos pelas autoridades de supervisão, pela União Europeia e pelo Governo português”.

Mas as medidas de apoio não se restringem à disponibilização de moratórias no crédito. Abrangem ainda a disponibilização de medidas de apoio ao reforço da tesouraria das empresas no curto prazo, ou de isenção de alguns custos.

Nomeadamente a disponibilização das linhas de apoio anunciadas pelo Governo, nomeadamente “Linha Capitalizar COVID-19”, “Linha de Apoio à Tesouraria para Microempresas do Turismo COVID-19”, assim como da Linha de apoio à Economia COVID-19, para os setores da Restauração e Similares, Turismo, Agências de Viagem, Animação Turística, Organizadores de eventos e similares, e Indústria, no montante global de 3 mil milhões de euros.

Dá ainda a possibilidade de adiantamento de 20% do montante de financiamento aprovado ao abrigo das linhas anunciadas pelo Governo, para criação de liquidez imediata. Cria ainda limites de crédito pré-aprovados para Pequenas e Médias Empresas, num valor global de 32 milhões de euros, “permitindo-lhes acederem de forma mais rápida e simples ao financiamento de que necessitam”.

Isenta ainda custos em várias transações através do Bankinter Empresas, nomeadamente no processamento de lotes de operações.

Suspende ainda a cobrança da mensalidade do TPA e isenta a aplicação de uma comissão mínima sobre as transações, para os comerciantes em situação de inatividade provocada pelo atual contexto.

Para facilitar os pagamentos com o mínimo contacto físico, o Bankinter vai ainda substituir os cartões de débito por novos cartões com a funcionalidade contactless.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bankinter dá moratória de seis meses às famílias. Vai até 12 meses às empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião