Bosch Braga suspende produção por duas semanas. 3.500 vão para casa

Após o encerramento em Ovar e Aveiro, a Bosch Braga anunciou que também vai fechar as portas da unidade fabril durante duas semanas. Com esta medida cerca de 3.500 colaboradores vão para casa.

A Bosch decidiu encerrar a unidade fabril em Braga e vai suspender a produção por duas semanas. Esta medida entra em vigor a partir da próxima segunda-feira, com cerca de 3.500 colaboradores a serem enviados para casa.

“A Bosch vai suspender as atividades devido ao surto do Covid-19”, confirma ao ECO fonte oficial da empresa, depois da notícia avançada pelo O Minho. Falta de matérias-primas são o principal motivo desta suspensão temporária.

Os 3.500 trabalhadores da empresa vão para casa, mas a empresa afasta cenário de lay-off. Há trabalhadores que vão passar para teletrabalho, mas outros vão de férias antecipadas, diz a Bosch de Braga.

Face a esta pandemia mundial que já infetou 3.544 casos de Covid-19 em Portugal e já provocou a morte a 60 pessoas, a empresa vai suspender a atividade e deve voltar a abrir as portas a 13 de abril, embora esta data possa ser alargada se as circunstâncias assim o justificarem, refere ao ECO fonte da Bosch Braga.

A Bosch Braga confirmou um caso de infeção de Covid-19 num dos trabalhadores da empresa. Face a esta caso a linha onde o operário trabalhava foi suspensa e os colegas foram para casa em quarentena.

Sindicato contesta “férias forçadas” na Bosch Braga

O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras do Norte (SITE – Norte) criticou a Bosch Braga por transformar em férias para os trabalhadores o período de paragem da laboração decorrente da pandemia do Covid-19.

“Todos pretendemos a defesa dos postos de trabalho, o relançar da economia, mas tal não pode apenas ficar nas costas dos trabalhadores, uma vez mais”, refere o sindicato esta quinta-feira, em comunicado enviado à Lusa.

Para o sindicato, a Bosch “deve proteger os seus trabalhadores e tem condições de, num caso de redução de atividade ou paragem parcial ou total, garantir 100 por cento dos seus vencimentos“. O sindicato diz que este não é, de todo, o conceito de férias.

“As férias são para recuperação física e psicológica dos trabalhadores, para proporcionar momentos de relaxamento junto dos seus e não para serem usadas numa situação destas, de confinamento, de stress e preocupações várias com a nossa vida e dos que amamos”, lê-se no comunicado.

O sindicato diz entender os efeitos da pandemia no setor automóvel, nos produtores, nos fornecedores e, por consequência, na Bosch, mas sublinha que a empresa “não se pode comparar com uma qualquer PME ou com um pequeno quiosque”.

“A Bosch Car Multimedia Portugal está inserida num grupo que tem tido lucros de largos milhões, a própria unidade de Braga tem tido lucros crescentes a cada ano”, refere o sindicato, sublinhando que a riqueza produzida “não tem sido devidamente distribuída pelos trabalhadores”.

(Notícia atualizada às 18h23 com informações da Lusa acerca da crítica por parte do sindicato em relação às “férias forçadas”)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bosch Braga suspende produção por duas semanas. 3.500 vão para casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião