Setor têxtil e do vestuário espera perdas superiores a 50% em abril

Quase 60% das empresas do setor esperam redução superior a 50% no volume de negócios já em abril, e 26% prevêem uma redução entre 30% a 50%. Setor pede ao Governo medidas mais rápidas.

A Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP) apelou esta quinta-feira à “urgente” regulamentação e revisão da aplicação do ‘lay-off’ simplificado, quando 59% das empresas espera ter, no mês de abril, uma redução superior a 50% no seu volume de negócios e 26% prevê uma redução entre 30% a 50%, segundo um inquérito realizado pela associação às empresas do setor.

O setor depara-se com sucessivos adiamentos e cancelamento de encomendas por parte dos clientes, que em alguns casos não chegam a pagar encomendas já recebidas, uma tendência com um profundo impacto ao nível dos recebimentos e das receitas, sobretudo num cenário onde os custos fixos permanecem”, explica em comunicado Mário Jorge Machado, presidente da associação.

A indústria têxtil e de vestuário emprega 138.750 pessoas em Portugal e a associação liderada por Mário Jorge Machado prevê que os salários dos trabalhadores “poderão estar em risco a curto prazo” e adverte que “sem o acautelamento dos rendimentos dos trabalhadores a retoma adivinha-se muito difícil”, explica a ATP.

O Governo já anunciou mais quatro linhas de crédito no valor total de três mil milhões para apoio às empresas que estejam a ser afetadas por esta pandemia de coronavírus, mas a Associação Têxtil e Vestuário de Portugal pede “medidas e respostas mais rápidas e eficazes”.

Apelam à regulamentação do processo de aplicação do lay-off simplificado. Explicam que estão a “reivindicar junto do governo há 15 dias, este mecanismo fundamental que quer-se imediatamente disponível e operacional para permitir a sobrevivência das empresas”, nota a ATP.

A Associação Têxtil e Vestuário de Portugal pede que o “período de demonstração de quebra de rendimentos da empresa tem de ser o mais curto possível” e que “a demonstração da quebra tem que poder ser feita através da evidenciação simples de que não há encomendas futuras”.

Para além destas medidas, a ATP sugere atuações a outros níveis: “solicita-se a moratória dos pagamentos devidos e sem registo de incumprimento, bem como a diluição ao longo de quatro ou cinco anos do correspondente pagamento, para evitar o estrangulamento de tesouraria no momento da retoma da atividade”, explica a associação.

Pedem ainda uma garantia para que as “linhas de crédito criadas sejam utilizadas sem o aproveitamento por parte dos bancos, com especial atenção às taxas e comissões praticadas”, e por fim, que “o financiamento previsto chegue às empresas que realmente precisam”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Setor têxtil e do vestuário espera perdas superiores a 50% em abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião