Empresários pedem isenção de impostos. Querem lay-off menos exigente

O Governo flexibilizou o pagamento de impostos e contribuições sociais, mas os empresários defendem que mais do suspensos, esses pagamentos têm de ser eliminados.

Face à pandemia de coronavírus, o Governo preparou um pacote de apoios para as empresas mais afetadas, mas os empresários pedem mais medidas para evitar uma escalada das falências e assegurar a manutenção dos postos de trabalho. Ao Executivo, a Associação Empresarial de Portugal (AEP) exige, por isso, que os impostos sejam eliminados — em vez de suspensos ou diferidos –, que as linhas de financiamento tenham verbas ilimitadas e que a Segurança Social pague a totalidade da remuneração assegurada aos trabalhadores em lay-off.

Para “minorar o impacto do Covid-19 no mercado nacional”, a AEP pede o “cancelamento definitivo de impostos e contribuições sociais”. Isto depois de o Governo já ter, por um lado, alargado o prazo para a liquidação do primeiro pagamento especial por conta e para a entrega e pagamento do acerto do IRC e, por outro, flexibilizado o pagamento de impostos e contribuições para a Segurança Social, sendo estas últimas reduzidas a um terço no segundo trimestre (embora o remanescente tenha de ser pago no trimestre seguinte).

Sobre o financiamento, os empresários exigem que as linhas tenham verbas “ilimitadas” e sejam alargadas a todos os setores. Além disso pedem que sejam colocados “à disposição das empresas instrumentos de capital permanente de emergência”.

No que diz respeito ao “novo lay-off, os empresários entendem que é preciso “adequar as condições” deste regime, desonerando a empresa da parte do custo do salário do trabalhador. À luz das regras em vigor, o trabalhador nesta situação recebe, pelo menos, dois terços da sua remuneração, sendo esse valor pago em 70% pela Segurança Social e em 30% pelo patrão. É esse última fatia que a AEP quer eliminar, entregando-a à Segurança Social.

Entre as medidas exigidas pela AEP, está ainda a alteração do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas de modo a “determinar a suspensão temporária de pedidos de falências pelos credores”; o alargamento do período de dedução de prejuízos fiscais a lucros de exercícios futuros; o pagamento imediato de todas as dívidas em atraso do Estado a fornecedores privados; e a redução ou eliminação dos custos de contexto da atividade empresarial, por exemplo através da suspensão das portagens.

Os empresários propõem, além disso, uma série de medidas no âmbito do programa Portugal 2020, entre as quais estão: “efetuar todos os pagamentos pendentes”; “aprovação imediata dos projetos apresentados, permitindo os pedidos de adiantamento”; flexibilizar o cumprimento das metas; aumentar as taxas de cofinanciamento; “congelar” as responsabilidade financeiras das empresas; bem como alargar “o prazo de apresentação de candidaturas a projetos nas calls abertas”.

Já a nível internacional, a AEP exige que sejam suspensas temporariamente as notações de agências de rating a nível internacional; que seja reforçado o apoio para investigação que permita “testes em larga escala”; e que seja criado um instrumento europeu “que assuma as despesas nacionais”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresários pedem isenção de impostos. Querem lay-off menos exigente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião