Exclusivo Governo volta a mudar regras. Empresas obrigadas a fechar também terão acesso ao novo lay-off

O Governo volta a alterar as regras do "novo lay-off" criado para responder à pandemia. Regime passa a estar disponível também para os estabelecimentos fechados pelo estado de emergência.

Face à pandemia de coronavírus, o Executivo de António Costa decretou o encerramento de restaurantes, discotecas, cinemas, ginásios e até museus, mas ainda não tinha explicado as alternativas para as empresas e trabalhadores. Num decreto-lei a que o ECO teve acesso, e que deverá ser aprovado esta segunda-feira em Conselho de Ministro, o Governo esclarece agora que esses estabelecimentos vão ter acesso ao “novo lay-off, garantindo-se o pagamento de dois terços da remuneração aos empregados que, entretanto, deixarem de poder prestar serviços.

De acordo com as portarias anteriormente publicadas, o “novo lay-off” criado face ao surto de Covid-19 estava disponível apenas para empresas em dois tipos de “crise empresarial”: paragem total resultante de rutura no abastecimento ou da suspensão ou cancelamento das encomendas; e quebra “abrupta e acentuada” de, pelo menos, 40% da faturação nos 60 dias anteriores ao pedido face ao período homólogo (para quem tenha iniciado a atividade há menos de 12 meses, a referência é a média desse período).

A esses dois cenários, deverá juntar-se agora um terceiro: “o encerramento total ou parcial da empresa ou estabelecimento, decorrente do dever de encerramento de instalações e estabelecimentos” previsto nos decretos que executam a declaração de estado de emergência.

Em questão estão discotecas, bares, salões de festa, parques de diversões, parques aquáticos, parques zoológicos, cinemas, teatros, museus, galerias de exposições, campos de futebol, ginásios, piscinas, casinos, restaurantes, cafetarias, esplanadas, termas e spas.

No caso das empresas que, estando em qualquer uma destas três situações, acedam ao “novo lay-off“, aos trabalhadores é garantido o pagamento de, pelo menos, dois terços da sua remuneração, sendo tal valor pago em 70% pela Segurança Social e 30% pelo próprio empregador.

Ao contrário do que estava determinado nas portarias anteriormente publicadas, este novo decreto-lei explica que tanto pode estar em causa uma redução temporária do período de trabalho ou a suspensão do contrato de trabalho. De acordo com o Código do Trabalho, no primeiro caso, é devida uma remuneração proporcional ao número de horas trabalhadas; nesse caso tal como no segundo caso, são pagos, no mínimo, os tais dois terços do salário, que equivalem pelo menos ao salário mínimo nacional (635 euros) e no máximo a 1.905 euros.

O decreto-lei a que o ECO teve acesso deixa ainda claro que o empregador não pode — até 60 dias após a aplicação deste novo regime — fazer cessar os contratos de trabalho por despedimento coletivo nem por despedimento por extinção do posto de trabalho. Se o fizer, terá então de devolver os tais 70% da remuneração suportada pela Segurança Social.

E depois da CGTP ter frisado, repetidamente, que tal apoio coloca uma pressão significativa sobre as contas da Segurança Social, o Executivo de António Costa determina agora que será o Orçamento do Estado a financiar o sistema em causa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo volta a mudar regras. Empresas obrigadas a fechar também terão acesso ao novo lay-off

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião