Coronavírus dita corrida ao ouro em barra. “É um pouco como o papel higiénico”

  • ECO
  • 24 Março 2020

Comerciantes revelam procura sem precedentes por ouro em barra com os pequenos investidores a tentarem proteger as poupanças do colapso nos mercados financeiros.

A pandemia de coronavírus está a gerar ansiedade por todo o mundo, causando uma corrida aos supermercados e farmácias. Enquanto os receios das consequências do isolamento social levou consumidores a abastecerem as despensas, os receios sobre o impacto do surto nas poupança levou a uma corrida ao ouro em barra.

Temos de ser criativos para encontrar novas formas de dar resposta“, explicou Markus Krall, CEO da retalhista de metais preciosos Degussa, ao Financial Times (acesso condicionado). Krall releva que tem tido dificuldades em responder ao forte apetite dos clientes por moedas e barras de ouro.

Na Degussa, a procura é cinco vezes superior ao normal. “O que está a causar esta procura são as medidas anunciadas pelas autoridades para parar o coronavírus. Isto não tem precedentes“, acrescenta.

O mesmo está a acontecer na BullionbyPost, onde o fundador e diretor Rob Halliday-Stein também está a assistir a uma procura como nunca. “Basicamente estamos a vender assim que temos stock nos cofres da loja. Mas estamos restringidos ao que conseguimos ter acesso. É um pouco como o que está a acontecer com o papel higiénico”, conta Halliday-Stein ao FT.

Os dois comerciantes de ouro em barra espelham a situação que se vive nos mercados. Os investidores, especialmente os de retalho, têm reforçado o investimento em ouro nas últimas duas semanas num esforço para proteger as poupanças do colapso nos mercados financeiros. Os preços atingiram máximos de sete anos a 9 de março, a valer 1.700 dólares por onça.

O aumento da procura é acompanhado por uma diminuição na oferta já que as maiores refinarias de ouro da Europa — a Valcambi, a Pamp e a Argor-Heraeus — situam-se todas na região suíça de Ticino e as autoridades locais interromperam temporariamente a produção, de acordo com o FT.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus dita corrida ao ouro em barra. “É um pouco como o papel higiénico”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião