Coronavírus dita corrida ao ouro em barra. “É um pouco como o papel higiénico”

  • ECO
  • 24 Março 2020

Comerciantes revelam procura sem precedentes por ouro em barra com os pequenos investidores a tentarem proteger as poupanças do colapso nos mercados financeiros.

A pandemia de coronavírus está a gerar ansiedade por todo o mundo, causando uma corrida aos supermercados e farmácias. Enquanto os receios das consequências do isolamento social levou consumidores a abastecerem as despensas, os receios sobre o impacto do surto nas poupança levou a uma corrida ao ouro em barra.

Temos de ser criativos para encontrar novas formas de dar resposta“, explicou Markus Krall, CEO da retalhista de metais preciosos Degussa, ao Financial Times (acesso condicionado). Krall releva que tem tido dificuldades em responder ao forte apetite dos clientes por moedas e barras de ouro.

Na Degussa, a procura é cinco vezes superior ao normal. “O que está a causar esta procura são as medidas anunciadas pelas autoridades para parar o coronavírus. Isto não tem precedentes“, acrescenta.

O mesmo está a acontecer na BullionbyPost, onde o fundador e diretor Rob Halliday-Stein também está a assistir a uma procura como nunca. “Basicamente estamos a vender assim que temos stock nos cofres da loja. Mas estamos restringidos ao que conseguimos ter acesso. É um pouco como o que está a acontecer com o papel higiénico”, conta Halliday-Stein ao FT.

Os dois comerciantes de ouro em barra espelham a situação que se vive nos mercados. Os investidores, especialmente os de retalho, têm reforçado o investimento em ouro nas últimas duas semanas num esforço para proteger as poupanças do colapso nos mercados financeiros. Os preços atingiram máximos de sete anos a 9 de março, a valer 1.700 dólares por onça.

O aumento da procura é acompanhado por uma diminuição na oferta já que as maiores refinarias de ouro da Europa — a Valcambi, a Pamp e a Argor-Heraeus — situam-se todas na região suíça de Ticino e as autoridades locais interromperam temporariamente a produção, de acordo com o FT.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus dita corrida ao ouro em barra. “É um pouco como o papel higiénico”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião