Coronavírus infeta investidores europeus. Bolsas afundam mais de 3%, ouro brilha

Apesar de sinais de abrandamento de novos casos na China, o coronavírus está a ganhar terreno na Europa. Itália está no centro das atenções, levando os investidores a procurarem refúgio.

É na China que está o maior número de casos de coronavírus, com o total de mortes provocadas pelo surto já acima das 2.500. Apesar de sinais de abrandamento de novos casos no país onde surgiu o Covid-19, está a aumentar o número de infeções além-fronteiras, com Itália a ser o país que mais preocupa. Este alastrar do surto à Europa está a fazer aumentar a ansiedade dos investidores um pouco por todo o mundo, levando a fortes quedas nas ações. A avaliação afunda.

Já foram registados cerca de 150 casos de infeção em Itália desde o final da semana passada. O número de mortes já vai em quatro, levando o país a implementar uma série de restrições na tentativa de conter o surto. Apesar dos esforços das autoridades italianas, há dúvidas sobre a eficácia. E crescem os receios em torno de um alastrar do vírus para outros países europeus, com os impactos económicos que daí podem resultar. A China mantém as metas de crescimento, mas admite o impacto.

Perante este propagar do vírus, os investidores, que já estavam preocupados, mostram-se cada vez mais apreensivos, afastando-se daquilo que são ativos de risco, como são as ações. A Europa a viver uma sessão de fortes quedas, com os principais índices a registarem quedas de mais de 2% e mesmo 3%. A bolsa de Milão, em Itália, é a mais castigada, recuando 4,22% para um mínimo de três semanas.

O Stoxx 600, que agrega as maiores empresas do Velho Continente, cede 3,31%, a maior queda diária desde outubro, com alguns setores a serem mais castigados que outros. A aviação está a ser fortemente penalizada, com os investidores a anteciparem o impacto da retração nas deslocações por causa do vírus, com empresas como a Easyjet, Ryanair, Air France e Lufthansa a apresentarem quedas entre 7% e 11%.

Fabricantes de automóveis, empresas de tecnologia e também o setor financeiro, os mais sensíveis às perspetivas para o rumo da economia, apresentam também fortes quedas, em torno de 3%. Em Lisboa, com o PSI-20 a ceder mais de 3%, o BCP apresenta uma das maiores quedas da sessão, recuando 4,05% para os 18,22 cêntimos, mas é a Galp Energia que se destaca pela negativa.

A petrolífera portuguesa afunda 4,3%, para 13,68 euros, num movimento de queda generalizada no setor europeu, mas também mundial. Estas fortes quedas acompanham a tendência negativa das cotações da matéria-prima nos mercados internacionais, com o Brent, negociado em Londres, a ceder 3,74% para 56,31 dólares. Em Nova Iorque, o West Texas Intermadiate recua 3,63% para 51,44 dólares.

Ouro brilha como ativo refúgio

Há uma fuga ao risco que está a deixar praticamente todas as cotadas europeias no “vermelho”, bem como o euro, que cai 0,2% para 1,0819 dólares. Esta queda da moeda única, para novos mínimos face ao dólar, traduz o crescente apetite dos investidores pela moeda americana, principalmente para comprarem ouro.

O metal dourado tem vindo a brilhar, este ano, perante receios em torno do ritmo de crescimento da economia mundial. Com o agravar do surto de coronavírus, a tendência tem-se acentuado, estando o valor da onça já nos 1.687,56 dólares. A cotação desta matéria-prima está a disparar 2,7%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus infeta investidores europeus. Bolsas afundam mais de 3%, ouro brilha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião