Coronavírus arrasa bolsas europeias. Lisboa cai 2%

As bolsas europeias estão pintadas de vermelho. O surto de coronavírus está a assustar os investidores, levando as praças europeias a registarem quedas superiores a 2%.

O coronavírus está a assustar os investidores, arrasando as bolsas europeias. A praça italiana, onde já vai em três o número de mortes por causa do surto, é a mais castigada, ao cair 3,5%. Lisboa acompanha as quedas das congéneres ao cair 2%, numa sessão em que 17 das 18 cotadas estão em “terreno” negativo.

O número de mortos devido ao coronavírus subiu para 2.592 na China continental e foram reportados 409 novos infetados. Itália passou a ser o quarto país com mais casos de coronavírus, motivando o Governo a aplicar medidas de contenção.

O Stoxx 600, índice de referência europeu, arrancou a cair 1,5%, atingindo o nível mais baixo em mais de duas semanas. O italiano FTSE MIB recua 3,34%, encaminhando-se para a maior perda desde dezembro de 2018. O britânico FTSE 100 também é penalizado, recuando 2,20%.

Já o índice de referência nacional, PSI-20, recua 2,01% para os 5.278,49 pontos, com quase todas as cotadas em queda. Só uma das 18 cotadas evita um desempenho negativo.

A Mota-Engil destaca-se ao afundar mais de 5%, enquanto os CTT cedem 4,5%. O BCP recua 3,32% para os 18,36 cêntimos, sendo dos títulos que mais pressiona a bolsa nacional, a par da Galp Energia.

A petrolífera portuguesa cai 3,53% para os 13,79 euros. Isto numa altura em que o petróleo recua nos mercados internacionais. O Brent, negociado em Londres, segue a cair 3,13% para os 56,67 dólares por barril.

Ao contrário do que acontece nos mercados acionistas, mas também no petróleo, o ouro brilha. Os investidores estão a procurar refúgio no metal precioso, que está a subir 2,22% para 1679,78 dólares por onça.

(Notícia atualizada às 8h30)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus arrasa bolsas europeias. Lisboa cai 2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião