Broseta: firma ibérica contrata mais cinco advogados com faturação de 21,5 milhõespremium

Em 2016, a sociedade faturou 14,7 milhões e em 2017 16,3 milhões. Já em 2018, ano em que se tornou uma firma ibérica, passou para os 21,5 milhões de euros.

A fusão não é de hoje mas no mês em que comemoram dois anos de ‘casamento’, a Broseta e a sociedade de advogados dos portugueses Álvaro Roquette Morais e Pedro Guerra fazem um balanço. Assumem que a faturação aumentou com a integração do escritório português (passou de 16,3 para 21,5 milhões) e escolheram o lema “ambição de crescer” para 2020.

Para já, no último semestre de 2019, contrataram três advogados e dois em regime de ‘Of Counsel’. Foi em março de 2018 que a Broseta integrou na sua estrutura a sociedade portuguesa, seguindo-se a abertura de um escritório próprio em Zurique, e a construção da Rede Legal Ibero-Americana, visando assessorar clientes nos mercados da América Latina.

Uma verdadeira fusão e não apenas uma aliança já que “Broseta aparece em primeiro lugar na designação da nossa sociedade. Somos, mesmo, uma sociedade ibérica e trabalhamos muitos clientes em conjunto, ao nível do direito europeu e transnacional. Há muitas áreas do direito que não estão confinadas às nossas fronteiras! Quantas vezes não temos um dos advogados do nosso escritório em Lisboa em call com um colega espanhol a trabalharem para encontrarem soluções para clientes de outras nacionalidades ou para empresas que operam em imensas jurisdições diferentes? Além disso, o movimento é permanente, todas as semanas alguém de Lisboa está em Madrid e o inverso também é verdade”, segundo explicou Álvaro Roquette Morais, managing partner da Broseta em Portugal, em declarações à Advocatus.

“Ambição de crescer” com a entrada de três advogados e dois consultores especializados: Proteção de Dados, Cibersegurança, Telecomunicações, Tecnologia, e Direito Bancário e Financeiro e Contratação Pública são atualmente as áreas de aposta.

Se tivesse que escolher uma só área de aposta para 2020 seria ICT (informação, Comunicações, Tecnologia). A informação, os dados e os meios pelos quais circulam e são armazenados são competências que estão no nosso ADN”, sublinha Álvaro Roquette Morais.

Em 2016 e 2017, a Broseta faturou, respetivamente, 14,7 milhões de euros e 16,3 milhões de euros. Em 2018, ano em que Portugal passou a contribuir para a faturação global da sociedade, esta cifrou-se nos 21,5 milhões de euros. 2019 deverá registar, no conjunto da sociedade, um crescimento superior a dois dígitos, posicionando a faturação em valores próximos dos 25 milhões de euros, segundo fonte do escritório explicou à Advocatus.

“A expressão de Portugal no quadro global de faturação da Broseta é ainda reduzido, mas acredito que no decurso dos próximos três anos, com a nossa estratégia de crescimento assente na constituição de uma equipa de advogados de excelência em áreas core aqui em Lisboa, a par da parceria virtuosa que temos com o nosso escritório correspondente em Luanda, seremos capazes de nos afirmar como um pólo gerador de valor acrescentado para a sociedade no seu todo”, adianta Roquette Morais. Com este objetivo em perspetiva, a Broseta reforça a sua equipa em Portugal e acredita que, neste ano, voltará “ativamente a recrutar talento”.

Atualmente com 160 advogados distribuídos por Madrid, Valência e Lisboa, a Broseta defende não ter qualquer complexo com o tema ‘faturação’. “Não ter complexos ajuda! Como ajuda, claro que sim, estarmos integrados no mercado ibérico, mas também termos um modelo de gestão que aposta na transparência e acreditarmos que as organizações desempenham um papel social que vai para além da geração de lucro para os seus acionistas. As empresas que atuam no mundo de hoje, com tantos desafios, só ganham em ter uma cultura de transparência. A transparência, aliás, é em si mesma uma causa. Não trabalhamos com qualquer cliente, fazemos uma avaliação de risco, cumprimos com todas as regras de KYC (know your client). Hoje em dia, só não acede a informação empresarial e às contas das empresas e das sociedades, quem não quer. A informação é pública, de que me vale tentar mantê-la reservada?”, questiona o managing partner.

As empresas que atuam no mundo de hoje, com tantos desafios, só ganham em ter uma cultura de transparência. A transparência, aliás, é em si mesma uma causa.

Álvaro Roquette Morais

Managing Partner da Broseta

Para 2020, o escritório quer apostar em recrutar talento, “jovens advogados que queiram crescer numa organização ibérica, mas com uma vocação global, que tem uma rede de parcerias muito interessante na américa latina e Brasil. Para isso estamos a criar procedimentos de recrutamento, alinhar os planos de carreira e formação com as práticas espanholas, fazer mais parcerias com universidades, organizações da sociedade civil, ou seja, subirmos um degrau no nível de exigência”, explica o sócio.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Broseta: firma ibérica contrata mais cinco advogados com faturação de 21,5 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião