Cristina Casalinho admite antecipar execução do programa de financiamento

A presidente do IGCP explicou que Portugal pode fazer como Espanha, que na semana passada disse ainda não ter condições para fazer uma alteração formal e iria, por isso, acelerar o programa existente.

Portugal poderá vir a antecipar a execução do programa de financiamento para dar respostas às necessidades criadas pelo surto de Covid-19. Em entrevista à Rádio Observador, a presidente da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP, Cristina Casalinho, diz que ainda não há mudanças, mas que o país pode seguir as pisadas de Espanha e antecipar emissões de dívida.

“O calendário que está publicado neste momento ainda se mantém”, disse Casalinho, lembrando que na próxima semana será publicado o programa de financiamento de Portugal para o segundo trimestre do ano. Este já deverá considerar o momento que se vive, mas ainda é cedo para esperar grandes alterações.

A presidente do IGCP lembrou que, na semana passa, Espanha disse ainda não ter condições para fazer uma alteração formal e iria, por isso, acelerar o programa existente. “Neste momento, o que Portugal pode fazer é acelerar também o programa existente“, admitiu, à Rádio Observador.

Na prática, poderá significar um reforçar das emissões de dívida neste momento (em que as contas públicas precisam de capital para financiar as medidas de resposta ao surto) e uma diminuição no resto do ano.

O programa de financiamento para 2020 prevê a emissão de um total de 16,7 mil milhões de euros em OT. Parte deste valor será usado para reembolsar os 8.019 milhões de euros em OT que vão atingir as maturidades, enquanto os outros 8.698 milhões estavam previstos para fazer face às necessidades de financiamento do Estado.

“Neste momento, os planos são de manter o programa de financiamento ajustado às novas necessidades de financiamento, mas sobretudo seguindo aquilo que tem sido o exemplo de outros países. Dada a incerteza face às necessidades que a pandemia vai implicar nos orçamentos europeus estamos sobretudo a pensar numa aceleração dos programas e a ajustar ao longo do ano os mesmos para as necessidades que vão surgindo”, explicou Cristina Casalinho.

Os aumentos das emissões de dívida poderão servir para Portugal aproveitar o programa de emergência anunciado pelo Banco Central Europeu (BCE). A instituição liderada por Christine Lagarde lançou um Programa de Compras de Emergência Pandémica (PEPP, na sigla em inglês), que vai comprar 750 mil milhões em dívida pública e privada.

Este vai funcionar — pelo menos — até ao final de 2020 e as regras mais flexíveis do que as dos programas anteriores (que impunham limites do montante que podia ser comprado) permitem ao BCE comprar toda a dívida que um país emitir. A rede de segurança do BCE já serviu para acalmar os mercados.

Após uma subida dos juros da dívida a dez anos de Portugal para mais de 1,5% pela primeira vez em mais de um ano, as yields voltaram a recuar para os atuais 0,8%. “Desde há cerca de uma semana, o que vemos é que as taxas de juro têm flutuado, mas têm-se mantido contidas dentro de um intervalo mais baixo”, reconhece Cristina Casalinho.

(Notícia atualizada às 11h20)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cristina Casalinho admite antecipar execução do programa de financiamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião