BCE vai comprar toda a dívida emitida pelos países do euro por causa do vírus

Depois de anunciar um programa de compra de dívida de 750 mil milhões de euros, o BCE veio revelar que este novo pacote não terá limites à compra de títulos emitidos por um só país.

O Banco Central Europeu mudou as “regras do jogo” para responder à crise provocada pelo vírus. Ao contrário de anteriores programas de compra de ativos, nomeadamente dívida pública, no PEPP, criado especificamente para a pandemia, a autoridade monetária da Zona Euro vai poder comprar toda a dívida emitida por cada país com este fim, mesmo que isso o leve a ficar com mais de um terço da dívida desse Estado.

Depois de falhar o alvo na reunião de política monetária habitual, Lagarde voltou atrás. Apresentou, menos de uma semana depois, uma “bazuca” de 750 ml milhões de euros destinada a combater os efeitos económicos provocados pela pandemia. O disparo foi bem recebido, mas o entusiasmo contido.

No anterior programa de compra de dívida, o BCE estava limitado a adquirir 33% do valor total da dívida de cada país, o que limitava o alcance desta nova “bazuca”. Limitava, mas já não o faz. É que à última hora, Lagarde veio revelar que, agora, não há limites.

Ou seja, o BCE está disponível para comprar todos os títulos que os países venham a emitir de forma a obterem os fundos necessários para ajudar a economia numa altura em que vários países do euro estão parados, com milhões de cidadãos em isolamento profilático como forma de travar a propagação do vírus.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE vai comprar toda a dívida emitida pelos países do euro por causa do vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião