Hoje nas notícias: Aeroporto, hospitais e festivais

  • ECO
  • 26 Março 2020

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

Numa altura em que o país entra na fase da mitigação da pandemia, as Forças Armadas estão preparadas para uma intervenção mais forte a nível nacional. Ao mesmo tempo que os hospitais privados já começaram a exigir o Estado o “pagamento imediato” das dívidas em atraso que, dizem, ascendem a vários milhões de euros. E esta crise do coronavírus está ainda a deixar em risco tanto os festivais de verão como o aeroporto do Montijo.

Covid-19 deixa aeroporto do Montijo em “standby”

O Governo e a ANA – Aeroportos de Portugal não desistiram do projeto do aeroporto complementar do Montijo, mas não estão a avançar no processo. O surto de Covid-19 deixou a expansão do aeroporto em standby, não tendo sido pedida a apreciação prévia de viabilidade ou marcada a reunião entre Governo e autarcas. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago)

Hospitais privados pedem “pagamento imediato” de dívidas

A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) pediu ao Ministério da Saúde, à ADSE e ao Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA) que procedam ao “pagamento imediato” das dívidas em atraso relacionadas com a prestação de serviços feitas pelos hospitais privados a estas entidades. Em causa estão dívidas de vários milhões de euros, isto numa altura em que estas entidades são chamadas a responder ao Covid-19. “Os hospitais privados são uma das áreas que mais têm sido penalizadas com os atrasos nos pagamentos do Estado”, refere o email enviado pela APHP. Leia a notícia completa no Público (link indisponível)

Forças Armadas a postos para uma intervenção mais forte

Com a entrada do país na fase de mitigação, segundo várias fontes policiais e militares, está a ser preparada uma intervenção mais forte das Forças Armadas, no caso de haver uma rutura de capacidades da GNR e da PSP. Nesta fase de mitigação da pandemia, o nível de prontidão dos agrupamentos sanitários e a capacidade de emergência serão reforçados, começarão a ser instalados mais módulos de hospitais de campanha e há instalações militares preparadas em várias unidades do país para receber doentes infetados menos graves. Leia a notícia completa no Diário de Notícias

Pandemia deixa festivais de música em risco

O surto de coronavírus está também a ter impacto na cultura, pondo em risco os vários festivais marcados para o verão, sobretudo em maio e junho. A organização do North Music Festival diz estar a “equacionar todos os cenários”, enquanto o Primavera Sound vai decidir até ao final deste semana o que fazer. Já os responsáveis pelo Rock In Rio dizem ter “todas as equipas operacionais”, mas sempre com as recomendações de segurança. Leia a notícia completa no Correio da Manhã

São Bento em serviços mínimos até nova ordem

Não há planos para fechar o Parlamento devido ao surto de Covid-19, mas a pandemia está a obrigar a medidas de prevenção. A Assembleia da República vai continuar a funcionar, com um quórum flutuante de 116 deputados, que podem não estar todos no plenário no momento de votar. Até novas ordens, irá cumprir apenas serviços mínimos. Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (link indisponível)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Aeroporto, hospitais e festivais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião