Renováveis batem recordes em 2019, carvão chega à quota mínima dos últimos 30 anos

No ano passado, a produção renovável abasteceu 51% do consumo nacional de energia elétrica e o carvão registou a quota mais baixa desde a abertura da Central de Sines, em 1989.

Na sequência da apresentação de resultados relativos ao ano de 2019, a REN – Redes Energéticas Nacionais diz queainda é cedo para fazer uma antevisão do impacto desta crise” na sequência da pandemia de Covid-19. “Fá-lo-emos em devido tempo”, sublinha o operador da rede de transporte.

“O inicio de 2020 está a ser afetado de forma dramática pela epidemia global de Covid19. Pusemos em marcha todos os nossos planos de contingência crítica para poder garantir a operacionalidade da empresa no cumprimento dos seus serviços que são indispensáveis ao país”

E se 2020 ainda é uma incógnita, de acordo com a REN 2019 ficou marcado por uma produção renovável com níveis recorde, tendo sido a primeira vez que a produção fotovoltaica ultrapassou a marca anual de 1 TWh, chegando 1,1TWh. A produção eólica máxima diária nacional, a 22 de novembro, atingiu os 103,8 GWh e, no mesmo dia, atingiu a potência máxima de 4667 MW.

Já a produção fotovoltaica, que no final do ano contava com cerca de 730 MW instalados, ultrapassou pela primeira vez os 500 MW de potência máxima. “Estes valores evidenciam o peso crescente das fontes de energia renovável, refletindo as prioridades da política de transição energética”, refere a REN.

Em 2019, as fontes de energia renovável geraram 27,3 TWh de eletricidade, contribuindo com 56,0 % do total da geração de eletricidade. Em dezembro, a incorporação renovável foi de 77,2 %. Os combustíveis fósseis representaram os remanescentes 44,0%, o correspondente a 21,4 TWh.

Fonte: APREN

No total do ano passado, a produção renovável abasteceu 51% do consumo nacional de energia elétrica, com a eólica a representar 26% do consumo, a quota mais elevada de sempre para esta tecnologia, a hidroelétrica 17%, a biomassa 5,5% e a fotovoltaica 2,1%. Esta última foi a fonte que apresentou maior crescimento percentual em 2019, ultrapassando pela primeira vez 1 TWh de produção anual.

Em dezembro foi atingido um novo marco histórico das renováveis, que correspondeu a um período consecutivo de 5 dias e meio em que a produção da eletricidade renovável foi suficiente para satisfazer as necessidades de consumo em Portugal Continental. Este marco ocorreu entre os dias 18 e 23 de dezembro.

Em comparação com 2018, verificou-se um aumento na representatividade renovável de 3,1% na geração elétrica. Ainda assim, houve uma queda na geração efetiva dos centros eletroprodutores renováveis, de 6,8 %. Isto deve-se a uma queda de 24,9 % na geração hidroelétrica, por causa da escassez
de água durante grande parte do ano.

Nas renováveis, o maior contributo veio das eólicas (27,5 % do total de geração elétrica, 12,3 TWh), seguindo-se as centrais hidroelétricas (20,6%, 10 TWh) e as fotovoltaicas (2,2 %, 1,1 TWh), já refletindo a entrada em operação de nova capacidade solar fotovoltaica em 2019: 90MW de centralizada e 21MW de descentralizada.

Fonte: APREN

Por seu lado, a produção não renovável, abasteceu 42% do consumo em 2019, repartida pelo gás natural com 32% e pelo carvão com 10%, a quota mais baixa desde 1989, data da abertura da Central de Sines. De acordo com a APREN, o peso da geração a partir de carvão – Sines e Pego – no consumo de eletricidade em Portugal afundou 76 % em 2019.

O consumo de gás natural totalizou 67,9 TWh, com uma variação anual de +4,8%. Trata-se do segundo consumo anual mais elevado de sempre, 2,5% abaixo do registado em 2017.

No segmento do mercado elétrico, que representou 35% do consumo total, registou-se um crescimento de 14,6% face ao ano anterior, enquanto no segmento convencional se verificou uma tendência de estabilização com um crescimento marginal de 0,2%. O setor eletroprodutor foi responsável pela emissão de cerca de 10,4 milhões de toneladas de CO2, que se traduzem numa emissão específica média de aproximadamente 213 gramas de CO2 por cada kWh de eletricidade gerado.

O saldo de trocas com o estrangeiro, após três anos exportadores, foi importador, abastecendo 7% do consumo nacional. Em termos acumulados até ao final do ano, Portugal importou 7,0 TWh de eletricidade e exportou 3,6 TWh resultando num saldo importador de 3,4 TWh. Neste ano registou-se um preço médio diário no MIBEL de 47,9 €/MWh, muito inferior ao do ano anterior, de 57,4 €/MWh.

Também a utilização do terminal de GNL de Sines foi a mais elevada de sempre, com a operação de 66 navios. Foi também em 2019, a 10 de janeiro, que pela primeira vez em 22 anos o Sistema Nacional de Gás Natural exportou gás natural pela interligação de Campo Maior. “Nesse dia, o fluxo total de gás no VIP Ibérico (ponto virtual que agrega as capacidades das interligações internacionais) para abastecimento do sistema espanhol foi de aproximadamente um milhão de metros cúbicos, tendo sido quase totalmente transportados pela interligação de Campo Maior”, contou a REN.

Desde 2010 a REN plantou mais de um milhão de árvores de espécies autóctones, e nos últimos cinco anos limpou mais de 30 mil hectares nas faixas de servidão das suas infraestruturas, oito mil dos quais em 2019. Neste período, a REN assinou também a carta de compromisso “Bussiness Ambition for 1,5C”, uma iniciativa das Nações Unidas que desafia as empresas, a nível mundial, a criarem medidas de combate às alterações climáticas através da redução da emissão de gases com efeito de estufa, essenciais para travar o aquecimento global.

(Notícias atualizada)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Renováveis batem recordes em 2019, carvão chega à quota mínima dos últimos 30 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião