Fim do carvão em Sines depende de novas barragens no Tâmega

O Sistema Eletroprodutor do Tâmega, cujas obras estarão concluídas até 2023, representa um investimento total 1.500 milhões de euros para 1.158 MW de capacidade instalada.

De visita às obras de construção do Sistema Eletroprodutor do Tâmega, que está a ser desenvolvido pela espanhola Iberdrola em Ribeira de Pena, o primeiro-ministro António Costa disse esta terça-feira que o encerramento das últimas duas centrais a carvão ainda em funcionamento em Portugal – Pego e Sines – depende diretamente da entrada em funcionamento das três novas barragens no norte do país.

“Fixámos o objetivo e o calendário de desativação durante esta legislatura das duas centrais a carvão que ainda utilizamos. Fizemos depender o encerramento da última central a carvão [Sines, da EDP] da conclusão e entrada em funcionamento deste centro eletroprodutor. Para o ano encerraremos já a central do Pego, mas só em 2023 encerraremos a de Sines, porque só aí podemos contar para a segurança energética do país com o pleno funcionamento do complexo do Tâmega”, disse o primeiro-ministro.

De acordo com António Costa, a obra na qual a Iberdrola investirá 1500 milhões de euros até 2023 “vai produzir 4% do consumo nacional, vai ser responsável por 6% da capacidade de produção a nível nacional, e terá capacidade de armazenamento para manter a segurança do consumo, o que permite cumprir com confiança a meta de encerramento das centrais a carvão”.

Além do primeiro-ministro, também o ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, visitou esta terça-feira, 28 de janeiro, o Sistema Eletroprodutor do Tâmega, em Ribeira de Pena. Trata-se de um dos maiores projetos hidroelétricos em Portugal, formado por três barragens e três centrais hidroelétricas. Duas das barragens estarão situadas no rio Tâmega (Daivões e Alto Tâmega) e a terceira no rio Torno (Gouvães).

O Sistema Eletroprodutor do Tâmega, cujas obras estarão concluídas até 2023, representa um investimento total 1.500 milhões de euros. Com os seus 1.158 MW, aumentará em 6% a potência instalada em Portugal.

“Temos de chegar a 2030 com 80% de energia renovável no mix energético. Para alcançar isto, temos de incrementar a capacidade renovável e reduzir as fontes fósseis. Temos a oportunidade de otimizar o mix com base no solar eólico e hídrico. Esta obra que aqui estamos a fazer é fundamental pela energia que gera, mas pela segurança que dá a todo o sistema nacional. Como explicou o ministro do Ambiente, iremos ter aqui uma grande bateria natural. A reserva que aqui constituímos pode satisfazer as necessidades energéticas em dias sem sol, sem vento e em que possamos ter menos caudal de águia disponível”, garantiu Costa.

O chefe do Governo sublinhou a aposta do Governo socialista nas renováveis. “Muitos acharam que investir nas energias renováveis e nas alterações climáticas era um risco para o crescimento económico. Mas Portugal conseguiu baixar 8% o custo da energia em 4 anos, num período em que o preço subiu 6% na União Europeia. Isso aconteceu pela redução do défice tarifário e pelo facto de a evolução tecnológica ter permitido reduzir preço da energia renovável” nos últimos anos, rematou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fim do carvão em Sines depende de novas barragens no Tâmega

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião