Supermercados, alojamentos e refeições. Há condições especiais para médicos, enfermeiros, polícias e bombeiros

Os profissionais de saúde estão na linha da frente no combate ao vírus e não têm mãos a medir para o que aí vem, por isso estão a ser criadas condições especiais para eles.

Os profissionais de saúde, como médicos, enfermeiros ou auxiliares, estão na linha na frente do combate ao novo coronavíus em Portugal. Por isso, estão a ser criadas condições especiais exclusivamente para eles, como gesto de agradecimento pelo papel que estão a desempenhar.

Desde horários exclusivos de atendimentos nos supermercados a alojamento e refeições gratuitas, conheça as iniciativas organizadas por diversas empresas e até pela sociedade civil.

Supermercados com horários exclusivos para profissionais de saúde

O retalho foi um dos primeiros setores a criar condições especiais para os profissionais de saúde. O Lidl, Mini Preço, El Corte Inglés, Intermarché e Aldi criaram horários de atendimento exclusivos para profissionais de saúde, bem como, para forças de segurança pública, bombeiros e proteção civil. As compras para estes clientes específicos podem ser feitas antes do horário de abertura ou após o fecho, variando de supermercado para supermercado. Mas para isso é necessário que cada profissional apresente um documento que o identifique.

Além disso, a Mercadona e o Auchan alargaram o atendimento prioritário, que, segundo a lei é destinado para idosos, grávidas, pessoas portadoras de deficiência e pessoas com bebés de colo, para estes grupo de profissionais.

Há quem esteja a disponibilizar habitações

Dado o aumento de casos confirmados em território nacional, há já vários médicos e enfermeiros que estão a evitar ir para casa, por forma a não contaminarem os seus familiares. Nesse sentido, o Olx decidiu, em parceria com a uppOut, criar uma plataforma que tem por objetivo ligar pessoas que tenham uma habitação vazia nas proximidades dos hospitais e que as queiram disponibilizar aos profissionais de saúde que precisem de um espaço para descansar, sem colocarem em risco a saúde dos familiares.

Enquanto marca não podemos recorrer aos alojamentos que estão disponíveis na plataforma, mas queremos e pretendemos sensibilizar todos os utilizadores que tenham casas de férias ou imóveis para arrendar a ceder esse espaço”, explica Andreia Pacheco, Brand Manager do OLX em Portugal.

O projeto solidário intitulado Acolhe um Herói é “uma forma de agradecimento a todos os médicos, enfermeiros e técnicos de saúde que têm estado na linha da frente a combater a Covid-19”, aponta a empresa de anúncios. Além disso, já foi criada uma versão internacional do projeto.

Mas esta é apenas um das iniciativas a circular pela sociedade civil. A Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) e o Grupo Alojamento Local Esclarecimentos anunciaram há cerca de uma semana que estão a preparar um plano de cedência de alojamento a profissionais de saúde, em conjunto com a Direção Geral de Saúde (DGS) e outras entidades públicas. “Este plano de cedência tem como objetivo garantir uma gestão responsável, eficaz e segura de todo este processo”, e “no âmbito deste plano, está igualmente a ser delineado um modelo de condições dos serviços de limpeza e tratamento de roupa profissional do AL“, informa a ALEP, em comunicado.

O plano está ainda a ser estruturado, pelo que só deverá ser lançado quando reunidas todas as condições, mas assim que tiver “luz verde”, irá ser aberto “a todos os titulares, grupos ou entidades que queiram colaborar e ajudar a promover a iniciativa”, assinala Carla Costa Reis, fundadora do Grupo Alojamento Local Esclarecimentos, citada na nota.

Mas não são apenas empresas e instituições públicas a terem gestos de solidariedade para com os profissionais de saúde. Também no Facebook, há um grupo chamado “COVID19 – Alojamento / outro serviço SOLIDÁRIO para profissionais de saúde” e organizado pela sociedade civil que pretende disponibilizar gratuitamente casas a profissionais de saúde. Além disso, e dado o avançar da epidemia em Portugal, as ofertas estendem-se a outros bens, como viseiras ou outros objetos úteis para os profissionais de saúde.

Escolas do Turismo de Portugal oferecem refeições

Mas as ofertas não se cingem apenas ao alojamento. As escolas do Turismo de Portugal, em parceria com a Segurança Social, decidiram abrir as suas cozinhas para confecionarem 2.500 refeições por dia para instituições e profissionais de setores essenciais, como é o caso dos profissionais de saúde, bombeiros e forças de segurança.

Com 12 escolas de norte a sul do país, as refeições serão confecionadas pelos formadores das escolas, “em função das necessidades identificadas pela Segurança Social, e disponibilizadas às respetivas instituições em Lisboa, Porto, Douro/Lamego, Viana do Castelo, Oeste, Estoril, Portalegre, Setúbal, Vila Real de Santo António e Faro, onde se localizam as Escolas do Turismo de Portugal”, lê-se no comunicado divulgado esta segunda-feira.

Além disso, o Turismo de Portugal disponibiliza ainda, e “a custo zero”, alojamento nas suas escolas de Setúbal (20 quartos), Faro (14 quartos) e Lamego (7 quartos) para utilização por profissionais de saúde que não possam ou queiram regressar a casa por receio de contágio à família.

Carglass cria serviço de emergência prioritário para quem combate Covid-19

A Carglass, empresa de reparação de vidros de automóveis, criou um serviço de emergência prioritário para profissionais que estão na linha da frente no combate ao Covid-19. “Através de um número exclusivo, instituições como Polícia, Bombeiros, Proteção Civil, Entidades Municipais, Farmácias, Hospitais e respetivo pessoal podem dispor gratuitamente da aplicação de soluções provisórias em vidros laterais e óculos traseiros“, informa a empresa em comunicado esta quinta-feira.

A linha 225 320 706 funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, e permite prestar apoio para a manutenção das viaturas utilizadas em serviço destes profissionais.

Táxis da Free Now dão 40% de desconto para profissionais de saúde

Os profissionais de saúde têm a partir desta quinta-feira tem um desconto de 40% nas viagens de táxi, num frota de mais de 150 carros a operarem nas cidades Lisboa e Porto. A iniciativa intitulada “Táxi Herói” é da Free Now e é destinada a médicos, enfermeiros, auxiliares, seguranças, administrativos ou “outra qualquer profissão que, perante esta situação difícil que o país vive, continua a trabalhar diariamente em prol da saúde de todos”, informa a empresa em comunicado.

Para usufruírem destes descontos, os profissionais têm apenas que enviar um email para ajuda@free-now.com, com qualquer tipo de comprovativo da sua profissão. Nestas deslocações, a Free Now não vai cobrar nenhuma comissão aos motoristas “servindo o valor para assegurar um mínimo de compensação para
os motoristas de táxi que nesta altura atravessam também um período difícil, com a diminuição drástica das deslocações”, aponta a empresa.

(Notícia atualizada às 12h12, de 27 de março, com a informação da Free Now)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Supermercados, alojamentos e refeições. Há condições especiais para médicos, enfermeiros, polícias e bombeiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião