Não é só papel higiénico. Com o vírus, aumenta procura por informática, gaming e sofás

  • Lusa e ECO
  • 23 Março 2020

O isolamento decretado na sequência do coronavírus não fez só aumentar a procura por papel higiénico. Os portugueses estão a comprar mais informática, gaming e sofás. E online.

O comércio online tem registado um aumento devido à pandemia Covid-19, adaptando-se as entregas e a distribuição, que podem demorar mais, e registando-se um crescimento nas vendas de material informático, gaming e até mesmo sofás.

Numa resposta à Lusa, fonte oficial dos CTT explicou que, neste momento, estão a verificar-se comportamento distintos nos diversos setores, havendo um “forte crescimento nos produtos essenciais – higiene, saúde e alimentação – e em consumíveis, material informático e livros, muito alavancado pela oferta de e-commerce já existente”. “Por outro lado, verifica-se uma redução no retalho, devido ao encerramento das lojas, e no setor automóvel, pela diminuição da procura”, refere a mesma fonte.

De acordo com a fonte, os CTT estão a “acompanhar a situação e a adaptar a distribuição e os recursos em permanência, conforme as necessidades, conscientes do papel decisivo que desempenham para manter a economia em funcionamento”.

Para já, a empresa refere ter capacidade para responder ao volume de tráfego atual “e, caso se venha a verificar um aumento desse mesmo tráfego, os CTT ajustarão a sua capacidade operacional em conformidade”. “Estão a ser cumpridos os níveis de serviço ao cliente e estamos em permanente avaliação da nossa rede, no que diz respeito à ‘última milha’ [last mile], uma vez que existem alterações nos pontos de recolha, devido ao encerramento de algumas (poucas) lojas CTT e lojas da rede de parceiros e pontos de recolha”, pode ler-se na resposta.

Também questionada pela Lusa, a diretora de e-commerce da Fnac Portugal, Paula Alves, disse que o volume de encomendas “aumentou significativamente, comparativamente com o habitual funcionamento deste serviço (antes do fecho de loja)”.

Em termos de produtos, os clientes procuram “mais por hardware, gaming e livros” porque, por um lado, querem equipar-se da melhor forma para o teletrabalho e para os trabalhos escolares dos filhos, e, por outro, procuram artigos que possam ajudar a aproveitar os tempos livres, atendendo a que as saídas de casa estão limitadas”.

Paula Alves relembrou a experiência da loja online já com 20 anos de atividade, acrescentando que irá manter-se “enquanto for possível funcionar e servir os clientes em segurança”, sem esquecer os colaboradores que estão ao serviço, mantendo o número habitual, apesar de uma parte ter requerido “assistência à família devido ao encerramento das escolas”.

“Acima de tudo, a nossa preocupação é a de garantir a segurança e a saúde de todos os nossos colaboradores e clientes, tendo sido essa a principal razão que nos levou a decidir pelo encerramento das nossas lojas”, refere. Em termos de distribuição, a única informação que a cadeia adiantou foi o facto de algumas encomendas poderem estar a ter “um atraso de mais um dia útil do que o normal”.

Também a cadeia sueca Ikea sofreu uma reestruturação desde o encerramento temporário das lojas físicas, o que levou a “um natural aumento da procura” das encomendas online. “As pessoas estão em casa e preocupam-se mais com a funcionalidade e conforto das diferentes áreas”, sendo que os sofás são “um dos artigos que os portugueses mais procuram, uma vez que a sala tem sido um dos locais onde os portugueses têm passado mais tempo durante esta quarentena”, disse fonte da empresa.

Segundo a mesma fonte, a Ikea está a “reorganizar o fluxo de trabalho de forma a potenciar ainda mais o funcionamento da loja online”, adiantando que “as operações internas foram reforçadas, assim como a dos parceiros”.

Tendo em conta a nova estratégia de serviços, a empresa referiu ter “uma rede cada vez mais alargada e diversificada de parceiros que ajudam a dar maior flexibilidade aos serviços e aumentar a capacidade”.

A nível de entregas, a cadeia sueca explicou estar a conseguir assegurar, o tempo médio de dois dias, nas zonas do Porto e de Lisboa, podendo o cliente optar pelo método de recolha da encomenda em loja, um serviço que se tornou “temporariamente gratuito e encontrando-se com um prazo de cerca de três horas”.

Com o objetivo de proporcionar a máxima segurança possível aos clientes, colaboradores e parceiros, o serviço de entregas em casa da empresa foi readaptado, com as encomendas “a ser entregues apenas à porta e os serviços de instalação e montagem suspensos temporariamente”.

Além dos métodos de recolha em loja e entrega em casa, a Ikea também dispõe de 10 Pontos de Recolha, localizados em Aveiro, Beja, Castelo Branco, Coimbra, Leiria, Madeira, Palmela, Vila Real e Viseu.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 341 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 15.100 morreram. Em Portugal, há 23 mortes e 2.060 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral de Saúde. Dos infetados, 201 estão internados, 47 dos quais em unidades de cuidados intensivos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Não é só papel higiénico. Com o vírus, aumenta procura por informática, gaming e sofás

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião