Aumento extraordinário das pensões chega em maio

Com o Orçamento do Estado promulgado, já é certo que o aumento extraordinário das pensões deverá chegar às carteiras dos beneficiários em maio.

O Presidente da República deu “luz verde” ao Orçamento do Estado para 2020, sendo já certo que o aumento extraordinário das pensões chegará às carteiras dos beneficiários em maio. Em conjunto com a atualização normal já atribuída em janeiro, a subida totalizará dez euros.

No início deste ano, as pensões mais baixas (até 877,62 euros mensais) beneficiaram de um aumento de 0,7%, ditado pela inflação registada até novembro de 2019 e pelo crescimento económico verificado nos últimos dois anos.

Para as pensões entre 877,62 euros e os 2.632,86 euros, o reforço foi de 0,2%, ou seja, igual à variação dos preços registada no ano passado. Já as pensões acima desse valor ficaram estagnadas.

À semelhança do que aconteceu nos últimos anos, em 2020 as pensões mais baixas (até 658,2 euros ou 1,5 vezes o Indexante dos Apoios Sociais) serão alvo não só da referida atualização normal, mas também de uma subida extraordinária, totalizando um reforço de dez euros.

Na proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo Executivo em dezembro, não constava esse aumento extraordinário, mas tal acabou, contudo, por ser incluído durante a discussão na especialidade.

Os deputados aprovaram as propostas que ditaram a repetição do modelo seguido nos anos anteriores — os tais dez euros até aos 1,5 IAS — fixando o mês seguinte à entrada do Orçamento do Estado como momento de arranque do pagamento deste reforço. Ou seja, com a promulgação de Marcelo Rebelo de Sousa a indicar que o OE deverá entrar em vigor a partir de 1 de abril, fica agora certo que o aumento extra passará a ser pago a partir de maio.

Por exemplo, uma pensão de 600 euros subiu 4,2 euros em janeiro à boleia dos tais 0,7% e deverá agora subir mais 5,8 euros, totalizando um reforço de dez euros. Para as pensões que tenham sido atualizadas entre 2011 e 2015, o aumento extraordinário é de apenas seis euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aumento extraordinário das pensões chega em maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião