Aumento extra das pensões vai chegar antes do previsto. Saiba como vai funcionar

O Governo já se comprometeu com um novo aumento extra das pensões. À subida garantida pela via normal, acrescerá assim um reforço adicional de modo a perfazer uma atualização total de dez euros.

Além do aumento até 0,7% já garantido por lei a cerca de dois milhões de pensionistas, o Governo já se comprometeu com um novo aumento extraordinário das pensões mais baixas, confirmou ao ECO pelo secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares. À semelhança do que aconteceu em anos anteriores, esses dez euros não acrescem, contudo, à atualização conseguida pela via normal; isto é, são o valor total de acréscimo a receber pelos beneficiários.

Por lei, quando a média do crescimento do PIB nos últimos dois anos é superior a 2%, soma-se 20% desse valor (com um mínimo de 0,5 pontos percentuais) ao valor da inflação dos últimos 12 meses (sem habitação) para aferir a taxa de variação, que será aplicada, pela via normal, às pensões mais baixas.

De acordo com esta fórmula e com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2020, as pensões até 877,6 euros (duas vezes o Indexante dos Apoios Sociais) sobem 0,7% (0,2% à boleia da inflação, 0,5% à boleia do crescimento económico). Já as pensões entre 877,6 euros e 2.632,8 euros (seis vezes o Indexante dos Apoios Sociais) crescem 0,24% (em linha com a inflação).

As únicas pensões a ficarem estagnadas são, pois, aquelas que ultrapassem os tais 2.632,8 euros, embora o Ministério do Trabalho já tenha garantido ao ECO que as prestações mais baixas desta faixa vão merecer uma atualização, de modo a manter a proporcionalidade em relação às pensões mais altas da faixa anterior (que vão subir 0,24%).

Além destes aumentos assegurados pela Lei 53-B/2006, o Governo já fechou um novo aumento extraordinário das pensões mais baixas. Ao ECO, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares disse que se seguirá o modelo adotado nos anos anteriores.

Esta série de reforços extra das pensões mais modestas foi iniciada em 2017, com um aumento até dez euros para as pensões entre os 275 euros e os 628 euros (que não tinham sido alvo de atualizações entre 2011 e 2015), pago a partir de agosto. Tal medida custou, na altura, 79 milhões de euros aos cofres do Estado.

O modelo foi, depois, replicado em 2018, tendo sido incluída uma nuance nesta medida: as pensões que tinham sido atualizadas entre 2011 e 2015 beneficiaram de um aumento extra até seis euros, mantendo-se os dez euros para todas as outras abaixo dos 1,5 Indexantes dos Apoios Sociais.

No ano passado, o Executivo acrescentou outra alteração a esse modelo: começou a pagar esse reforço extra a partir de janeiro. Em 2017 e 2018, os pensionistas tinham visto as suas pensões crescer pela via normal em janeiro, tendo sido reforçadas novamente em agosto de modo a perfazer um aumento de dez euros. Em 2019, os dois aumentos chegaram em simultâneo, no arranque do ano.

De notar que não está em causa um aumento normal ao qual se somam os dez euros decorrentes da atualização extraordinária. Está, antes, em questão um aumento normal ao qual o Governo acresce o valor necessário para que se perfaça o total de dez euros.

“Esta atualização extraordinária consubstancia-se numa atualização de dez euros por pensionista, sendo que, no caso dos pensionistas que recebam uma pensão cujo montante tenha sido atualizado no período entre 2011 e 2015, a atualização é de seis euros, sendo deduzida da atualização o valor da atualização anual verificada em janeiro de 2019“, explica o decreto regulamentar que definiu a atualização extraordinária das pensões em 2019.

No ano passado, foram alvos deste reforço extra as pensões de invalidez, velhice e sobrevivência pagas pela Segurança Social e pela Caixa Geral de Aposentações (CGA), com valor igual ou inferior a 1,5 vezes o Indexantes do Apoios Sociais.

A manter-se o modelo este ano, é já possível antecipar que vão beneficiar deste novo aumento extra as pensões até 658,2 euros, tendo o Indexante dos Apoios Sociais sido atualizado também em linha com a inflação.

Para uma pensão de, por exemplo, 600 euros estão, portanto, previstos os seguintes aumentos: 4,2 euros mensais pela via normal (subida que já começou a ser paga a partir deste mês) aos quais devem acrescer 5,8 euros extraordinários, perfazendo uma atualização total de dez euros.

Se estiver em causa uma pensão de 500 euros, o exercício é o seguinte: o aumento de 0,7% traduz-se em mais 3,5 euros ao fim do mês. A esse valor há de se somar 6,5 euros, de modo a totalizar um aumento de dez euros.

Este domingo ficou fechada a data a partir da qual os pensionistas deverão começar a receber o reforço extraordinário nas pensões. O Governo chegou a acordo com o PCP e com o Bloco de Esquerda e terá aceitado antecipar a entrada em vigor do aumento extraordinário das pensões, previsto inicialmente para agosto. O aumento extra este ano deverá acontecer no mês seguinte ao da aprovação do Orçamento, o que poderá acontecer a partir de abril.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aumento extra das pensões vai chegar antes do previsto. Saiba como vai funcionar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião