Procura de papel higiénico dispara. Renova aumenta produção e deixa de produzir papel higiénico preto

Numa altura de pandemia global, o ECO foi bater à porta dos gestores que estão em teletrabalho em casa para uma conversa por telefone ou videochamada. O presidente da Renova foi o primeiro.

O presidente executivo da Renova está de quarentena, mas isso não o impede de gerir as várias fábricas de produção de papel higiénico, o produto do momento. Paulo Pereira da Silva é um dos muitos portugueses que está a trabalhar a partir de casa e o primeiro a ser entrevistado na nova rubrica diária do ECO chamada Gestores em teletrabalho.

O contacto com uma pessoa infetada com Covid-19 forçou-o a ficar fechado em casa em isolamento profilático. “Mas já só falta um dia para cumprir a quarenta de 14 dias“, conta ao ECO com satisfação. Sem exibir quaisquer sintomas, o responsável gosta de pensar que está a dar o exemplo, já que muita gente na empresa está a trabalhar a partir de casa. Os telefones e os computadores tornam tudo possível, garante.

Mas a peça fundamental são mesmo as centenas de colaboradores que asseguram o “funcionamento das fábricas 24 horas por dia, sete dias por semana”, com a máxima eficiência possível. “Foi preciso fazer algumas adaptações”, reconhece Paulo Pereira da Silva, seja para proteger os trabalhadores, seja para responder à procura desenfreado pelo produto.

“Ainda se vão escrever teses sobre isto”, diz. “Isto” é o fenómeno mundial de procura de papel higiénico. Não foi apenas em Portugal que a chegada do surto do coronavírus foi acompanhada de um esvaziar nas prateleiras dos supermercados. Nos Estados Unidos e Canadá, a venda de pacotes é limitada por pessoa, no Reino Unido o produto chegou a esgotar, tal como na China, Hong Kong e Austrália. No país dos coalas, os supermercados contrataram seguranças para vigiar os clientes.

Mas se de início as brincadeiras até eram bem recebidas, “agora já não”, admite Paulo Pereira da Silva. “Ter humor é bom, mas já não acho muita graça tendo em conta todo o nosso trabalho nas diferentes fábricas”, conta. Para responder a tanta procura foi necessário, por exemplo, deixar cair um dos produtos icónicos da marca — o papel higiénico preto. “Não estamos a fazer papel higiénico preto. Não nos vamos pôr a fazer um produto híper sofisticado onde até podemos ter uma margem enorme. Não faz sentido”, sublinha o empresário formado em Física. “Temos a linhas a trabalhar com a maior capacidade possível e estamos focados em produtos de enorme produtividade, que vão ao encontro das carências do mercado”, acrescenta.

Mas para responder à procura voraz do mercado foi também necessário desenvolver “um grande trabalho com os clientes” e “otimizar as cadeias de logística”, em todos os países em que a marca está presente, mas sobretudo em Portugal, Espanha e França. Podem sair mais camiões das fábricas, mas o facto de as paletes irem todas carregadas com o mesmo produto também ajuda. “Tem havido um enorme contacto com os nossos fornecedores e toda a cadeia de logística para simplificar as coisas e os transportes serem mais eficazes”.

Ciente de que nada era possível sem as equipas que diariamente asseguram que toda a máquina permanece oleada — nas fábricas, nos escritórios, nos centros de logística ou nas lojas —, Paulo Pereira da Silva até recorreu às redes sociais para agradecer o esforço de todos.

Nas fábricas o segredo foi tomar medidas de prevenção desde cedo, assim que se percebeu que Portugal não iria escapar incólume. Há cerca de um mês que foram proibidas as visitas às fábricas, assim como as viagens ao estrangeiro, ou as visitas de técnicos estrangeiros e partes das equipas estão a funcionar em teletrabalho. Para além das recomendações que a Direção Geral de Saúde direcionadas às empresas, que passam pelos avisos para a lavagem frequente das mãos, o uso de álcool gel, foi necessário adaptar a cantina, entre outras mudanças, para diminuir o contacto social e, consequentemente, os riscos.

Mas além das mudanças na sua equipa, Paulo Pereira da Silva antecipa fortes mudanças na sociedade, decorrentes desta “experiência diferente”. O surto da epidemia que já escalou a pandemia, e que “não tem fronteiras”, “vai ter um impacto brutal na economia e, provavelmente, na vida das pessoas”, antecipa o gestor. Qual a profundidade dessa mudança? “Ainda é muito cedo para avaliar”. Mas será “um fenómeno global que vai ser tão importante para esta geração como foi a Segunda Guerra Mundial para os nossos pais e avós”.

“Estas coisas precisam de uma grande união a nível internacional e não de gente a pensar que uma pessoa sozinha pode resolver alguma coisa. Gostaria que algumas entidades supra nacionais pudessem ajudar a gerir as coisas do ponto de vista técnico, como há um banco europeu, mas para assuntos ligados à saúde e ao bem-estar”, sugere.

Numa nota mais positiva, o físico, empresário e inventor espera que depois desta crise, as pessoas passem a “dar mais importância à família” e às coisas que são verdadeiramente importantes. “A verdade é que nunca falei com tanta gente e com tantos amigos como agora. Pode ser que a mudança seja nesse sentido…”

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Procura de papel higiénico dispara. Renova aumenta produção e deixa de produzir papel higiénico preto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião