Bruxelas quer vias verdes nas fronteiras para transporte de mercadorias

  • Lusa
  • 23 Março 2020

Vários países fecharam as fronteiras terrestres com vizinhos. Comissão Europeia recomendou que Estados-membros criem vias verdes nas fronteiras para garantir o transporte de mercadorias.

A Comissão Europeia recomendou aos Estados-membros a criação de vias verdes nas fronteiras comunitárias para garantir o transporte de mercadorias, com trajetos que não demorem mais de 15 minutos, apesar das restrições adotadas devido à pandemia de Covid-19.

Numa altura em que existem várias restrições à circulação dentro da União Europeia (UE), no seguimento de medidas adotadas pelos Estados-membros para tentar conter o surto do novo coronavírus, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, apresenta aos países orientações práticas para garantir o transporte contínuo de mercadorias através de vias verdes.

Reconhecendo que “o surto tem um impacto tremendo” no fluxo de bens a nível europeu, a responsável recomenda que “cruzar uma fronteira numa via verde deve demorar, no máximo, 15 minutos”, ideias defendidas num vídeo publicado esta tarde.

De acordo com Ursula von der Leyen, no passado fim de semana verificaram-se problemas em algumas fronteiras da UE e, em alguns pontos transfronteiriços, registaram-se inclusive “mais de 40 quilómetros de fila e esperas de até 18 horas”.

“Isto tem de parar”, vincou, defendendo que, “especialmente em tempos de crise, […] os mantimentos devem estar disponíveis para a população e os medicamentos, equipamentos de proteção e outros bens necessários têm de chegar aos hospitais e aos profissionais de saúde“.

A ideia, segundo Ursula von der Leyen, é que estas vias verdes estejam “disponíveis para veículos que transportem todo o tipo de bens”, visando “garantir a livre circulação de bens” e evitar “atrasos e problemas de escassez”.

“As medidas que estamos a adotar para conter a propagação do vírus estão a abrandar ou até impedir a circulação”, aponta.

No vídeo, Ursula von der Leyen argumenta, ainda, que “os governos nacionais devem suspender restrições como limitações na circulação durante o fim de semana ou à noite” e ainda “reduzir a burocracia para os condutores de mercadorias”.

“Os testes médicos nas fronteiras podem ser úteis e usados como medida complementar contra o vírus, mas devem ter em conta a livre circulação de bens”, adianta.

Nesta mensagem, a líder do executivo comunitário afirma ainda que “o combate ao vírus vai demorar algum tempo”, pelo que apela à proteção do mercado único europeu como forma de “vencer essa batalha”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 341 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 15.100 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas quer vias verdes nas fronteiras para transporte de mercadorias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião